RFID Noticias

Construção usa RFID para cura de concreto

A Shimmick Construction implantou sistema ativo UHF para captar a temperatura do concreto, quando endurece após ser derramado

Por Claire Swedberg

9 de julho de 2014 - Monitorar com precisão a cura do concreto pode ser um fator crítico em grandes projetos de construção. Se uma laje não tem o tempo suficiente para curar, as rachaduras podem se desenvolver quando a próxima camada é derramada, o que arruinaria essa seção. As empresas têm usado loggers de temperatura com fios, pois o concreto emite calor quando está no processo de cura. Mas os sensores com fio podem ser um problema nos grandes projetos. Muitas vezes significam mais tempo para serem embutidos, a fim de garantir que todo o concreto derramado está totalmente curado antes de os funcionários avançarem para a próxima etapa.

A Shimmick Construction Co. preferiu não utilizar sensores com fio ou destinar um tempo de cura extra para a construção do novo TransBay Transit Center de São Francisco. Assim, a empresa optou por implantar uma solução RFID fornecida pela empresa de tecnologia de Michigan Wake, Inc., que consiste de tags RFID UHF com sensores embutidos, além de leitores portáteis e software para interpretar os dados de temperatura coletados. As etiquetas são incorporadas em cada laje de concreto e depois são lidas à distância, tornando o sistema mais ágil do que osregistradores de dados convencionais.

As tags RFID embutidas em uma esteira de concreto são lidas remotamente
Shimmick está colocando 100 mil metros cúbicos de concreto para construir uma infraestrutura para a nova unidade de trânsito de São Francisco. Em seguida, a empresa pretende utilizar a mesma tecnologia da Wake Inc – Wireless Concrete Maturity & Temperature Monitoring Solution, conhecida como HardTrack – durante a construção de estacas de concreto para uma ponte associada ao projeto.

A tecnologia fornece dados sobre a temperatura do concreto após ter sido derramado, explica Charlie Marrow, engenheiro de projetos da Shimmick Construction, e o software da Wake, em seguida, determina a maturidade do concreto derramado. Esses dados, diz, reduzem grandemente o tempo necessário para o arrefecimento e o endurecimento do concreto antes de a próxima laje ser vertida. O projeto é composto por 16 esteiras de concreto que compõem a fundação do edifício. As lajes são despejadas em intervalos e devem estar completamente curadas antes que a próxima seja despejada. Caso contrário, a laje pode rachar.

Charlie Marrow, da Shimmick Construction
"Estávamos procurando opções de monitoramento da maturidade", diz Marrow, quando a empresa se preparava para lançar o grande projeto Transbay Transit Center. A Shimmick Construction precisava de uma maneira de garantir que a colocação de concreto ficasse dentro do cronograma. O consultor de concreto da empresa estimou o tempo de cura em um prazo conservador de 30 dias por derrame. Cada laje deve chegar a esse requisito de tempo antes de a seção adjacente poder ser despejada. No entanto, segundo ele, isso não teria funcionado com o cronograma exigido pela empresa. Portanto, a companhia começou a olhar para soluções de tecnologia que pudessem acompanhar a data exata de cura.

As estimativas de tempo de cura podem levar a esperar desnecessariamente, explica Marrow, razão pela qual as empresas costumam usar registradores de dados. A solução de data logger com fio teria sido impossível para o projeto Transbay Transit Center, devido ao tamanho da área e do grande volume de concreto derramado.