RFID Noticias

SML abre centro de tecnologia e inovação com RFID

O espaço conta com uma fábrica simulada, estoque e loja onde se pode ver a tecnologia RFID em ação, contendo ainda um laboratório de testes e área para produção de inlays

Por Claire Swedberg

6 de junho de 2014 - A SML Group, uma provedora de soluções para cadeias de suprimentos e varejo com sede em Hong Kong, abriu o seu RFID Technology & Innovation Center, sua primeira instalação desse tipo nos Estados Unidos (EUA), para demonstrar a tecnologia de identificação por radiofrequência funciona, e testar soluções e inovações. Sua inauguração ocorre próxima a um lançamento similar na Inglaterra pela mesma companhia e que será seguido pelo lançamento de um terceiro centro, em Hong Kong, em 2015. A instalação dos EUA está localizada na fábrica de inlays da SML, que recentemente expandiu sua capacidade de produção em quatro vezes, de acordo com Philip Calderbank, VP global de RFID da SML.

O centro de tecnologia e inovação com RFID da Inglaterra servirá os clientes existentes e potenciais da SML desde a sua abertura há seis meses, de acordo com Calderbank, demonstrando que a tecnologia capacitará as empresas a testar RFID nas configurações que necessitam para os seus próprios casos de uso.

O centro dos EUA tem por objetivo promover os esforços da SML para mostrar suas próprias inovações aos clientes existentes e potenciais, explica Calderbank, e também serve como um local para o desenvolvimento de novos. A empresa inaugurou sua fábrica de produção no mesmo local em fevereiro de 2013, para melhor atender ao crescente apetite da indústria de varejo norte-americana, para uso de tags item a item. Desde então, tem renovado 10.000 metros quadrados, com a construção de um andar para expandir não só a capacidade de produção, mas também abrigar o centro de tecnologia. Lá, a empresa pode exibir e testar soluções por meio de uma fábrica simulada, centro de distribuição e modelo de bastidores.

O espaço demonstra um fluxo natural de supply chain, permitindo a fácil circulação de visitantes de uma sala para outra, simulando, assim, todo o processo da cadeia de suprimentos. Embora maior do que a instalação de Reino Unido, foi projetado para fornecer as mesmas funções.