RFID Noticias

DELO e Mühlbauer unem-se para reduzir custos de tags

As empresas lançaram novos adesivos e equipamentos de fabricação de tags que suportam pequenos chips RFID UHF passivos e permitem velocidades de produção maiores

Por Claire Swedberg

29 de maio de 2014 - Para os usuários finais e provedores de soluções de identificação por radiofrequência, o preço por etiqueta RFID passiva UHF EPC Gen 2 pode ser a chave para fazer um projeto acessível. Duas empresas que estão lançando novos produtos para permitir a produção de tags a menores custos são fabricantes alemãs de adesivos: DELO Industrial Adhesives (que fornece a cola para antenas e um chip para incrustação durante a aplicação, fixação e processos de cura) e a Mühlbauer (que faz a maquinaria para fabricar essas tags, incluindo injeção de adesivo para inserção). A DELO apresentou seu mais recente produto adesivo no evento de conferência e exposição RFID Journal LIVE! 2014, realizado no mês passado, em Orlando, nos Estados Unidos.

Em parceria, a DELO e a Mühlbauer trabalham em estreita colaboração com os fabricantes de tags, permitindo produzir etiquetas eficientes em termos de custo, sob demanda, com equipamentos que podem produzir essas tags usando adesivos.

A DELO tem a maior parcela do mercado de etiquetas adesivas RFID e tem buscado produzir etiquetas mais baratas. "A maior parte das nossas mudanças foi em torno do que é permitido para obter uma tag de baixo custo", diz Jens Amarell, gerente de produtos RFID da DELO. As etiquetas precisam ter menos material e ser produzidas mais rapidamente, explica, e os próprios chips têm de ser menores. Assim, diz ele, conectar uma antena e fornecer condutividade elétrica torna-se ainda mais desafiador.

"Em termos de adesivos, a tarefa tem sido bastante significativa para nós", diz Amarell. "Os chips se tornaram tão pequenos que são apenas 400 por 400 micrômetros. Isso é basicamente nada, mas precisam ser conectados a uma antena de modo confiável e ainda processar os sinais elétricos".

Além disso, as etiquetas devem ser produzidas rapidamente. Quando um thermode (atualmente o instrumento de cura para a produção em massa) é utilizado, o adesivo leva oito segundos a 180 graus Celsius para curar ou para alcançar a força completa. Isto representa uma redução considerável no tempo, diz Amarell, em comparação com os adesivos anteriores, os quais tipicamente precisavam de alguns minutos sob aquecimento.