RFID Noticias

Novo Chip Impinj promete mais benefícios

O Monza R6 sintoniza automaticamente, testa a integridade dos números EPC e TID e vem com estrutura inovadora para conectar-se às antenas

Por Claire Swedberg

9 de maio de 2014 - Como o uso de etiquetas RFID item a item no mercado de varejo continua a sua tendência de crescimento, a Impinj desenvolveu um novo chip destinado a fazer as tags mais sensíveis do que as que utilizam outros modelos de chip, com um alcance de leitura maior e três novas funcionalidades que prometem aumentar o rendimento durante os processos de fabricação e de codificação.

O chip Monza R6, diz Nikhil Deulkar, diretor de marketing de produtos Monza da Impinj, é projetado para conduzir aplicações de alto volume em lojas de varejo e cadeias de abastecimento. O novo chip pode ser codificado a uma taxa de 32 bits a cada 1,6 milisegundos (32 bits é o comprimento mais comum de blocos de dados utilizados durante a codificação com o padrão EPC Gen 2 Blockwrite command). Quando usado em conjunto com a Source Tagging Platform da Impinj, diz ele, o R6 suporta a codificação de 9.500 etiquetas por minuto. O chip também pode ser lido 25 por cento mais do que os chips RFID existentes. A empresa afirma que vai melhorar a precisão de controle de estoque, garantindo que cada tag seja lida através da cadeia de abastecimento ou durante as auditorias de inventário.

Além dessas melhorias, afirma Deulkar, o chip também emprega três funções que beneficiarão usuários de tag, bureaus de serviços e fabricantes de tags. A tecnologia AutoTune permite que uma tag possa sintonizar a antena automaticamente, de acordo com seu ambiente. A suíte de tecnologia Integra tem ferramentas de diagnóstico que permitem aos codificadores e usuários identificar um chip com problemas de funcionalidade, o que pode levar à inoperância no futuro. A tecnologia Enduro consiste de um método diferente para fixação de um chip a uma antena, reduzindo o risco de erros ou diminuindo a pressão durante o processo de adesivos, reduzindo o volume de material colante para fixar o chip à antena.

Segundo Deulkar, a funcionalidade AutoTune do chip se destina a melhorar a capacidade de resposta de inlay, sintonizando as antenas para compensar várias condições. Por exemplo, diz ele, uma empresa pode usar uma incrustação que funciona bem em um par de jeans, mas isso pode não funcionar em todas as unidades de manutenção de estoque (SKUs), como uma bolsa. Ao invés de possivelmente exigir uma tag diferente para essa SKU específica, o próprio chip é projetado para detectar condições e automaticamente sintonizar a antena.

A AutoTune também permite que uma pequena inlay usando o chip Monza R6 possa operar dentro de uma largura de banda mais larga do que as tags menores existentes. "Até agora, você podia projetar uma pequena etiqueta para a joia, por exemplo", afirma Deulkar, "mas teria uma largura de banda estreita, que funcionaria bem na América do Norte, por exemplo, mas não na Europa, onde uma banda diferente é usada".