RFID Noticias

Airbus estimula adoção de RFID pela divisão EADS

Os gestores da Eurocopter, Astrium e Cassidian dizem que estão criando suas soluções com base no aprendizado da Airbus

Por Claire Swedberg

28 de maio de 2013 - O RFID Journal iniciou sua 11ª conferência e exposição anual RFID Journal LIVE!, em Orlando, na Flórida, no início de abril, com apresentações dos gestores da fabricante de aeronaves Airbus, da fabricante de helicópteros civis e militares Eurocopter, da fornecedora global de sistemas de segurança Cassidian e da firma de satélites e espaço Astrium. As quatro empresas – divisões da European Aeronautic Defence and Space Co.(EADS) – estão em fase de implantação da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) em todo o mundo, usando um modelo companywide desenvolvido pela Airbus. As divisões têm implantado a tecnologia para rastrear peças para helicópteros, aviões e satélites (bem como ferramentas e outros ativos), a fim de melhorar a eficiência e reduzir o trabalho necessário para fabricá-los.

Representando o grupo estavam Haydar Alhas, gerente de negócios e melhoria da Eurocopter; Jamil Khalil, da Airbus e EADS; Claude Lorda, chefe de inovação industrial da Astrium; Carlo Nizam, chefe da cadeia de valor e RFID da Airbus; e Eric Princelle, gerente de projetos da Cassidian.

Haydar Alhas, da Eurocopter

A Airbus começou a trabalhar com RFID para rastrear os componentes utilizados na produção de suas aeronaves em 2008. Na sequência destes esforços, a EADS autorizou suas outras divisões a criar suas próprias soluções baseadas em RFID, em grande parte, aproveitando as experiências de aprendizagem da Airbus. Khalil tem servido como um elo de ligação entre as divisões da EADS, para ajudá-los a criar e implantar soluções que utilizam um modelo de toda a empresa para o uso da tecnologia. As divisões já lançaram soluções em vários locais, envolvendo as etiquetas RFID passivas e ativas.

Por exemplo, a Eurocopter implantou etiquetas RFID ativas que estão ligadas a "grandes itens mecânicos" dentro de sua fábrica, ao mesmo tempo que também afixou etiquetas passivas nos itens menores, como peças de helicóptero. Dessa forma, afirma Alhas, a empresa oferece cobertura local para itens grandes e pequenos, sem a necessidade de instalar portais de RFID ao longo da divisão inteira, algo que poderia ter sido necessário para fornecer visibilidade a determinados itens dentro de algumas áreas de sua fábrica, diz ele, se a tecnologia RFID passiva fosse a única a ser usada.

O objetivo, relata Alhas, "é aumentar a eficiência dos nossos processos", e para diminuir o tempo de espera dos clientes, assegurando que os produtos estejam prontos mais rapidamente. De acordo com Alhas, a Eurocopter se reúne com Airbus pelo menos três vezes por ano para analisar os projetos de RFID da Eurocopter e determinar outras maneiras em que a tecnologia possa ser implantada.

Carlo Nizam, da Airbus

"Não há apenas uma solução para todos os casos de uso", declara Nizam. Apesar de os sistemas serem semelhantes entre as divisões, diz ele, uma porcentagem de cada projeto é única para as necessidades de uma determinada divisão em seu local específico.

A Astrium, que fabrica satélites militares e comerciais e equipamentos aeroespaciais, está empregando sistema ativo de localização em tempo real (RTLS) para rastrear grandes peças e equipamentos, bem como RFID passivo para ferramentas e outros ativos menores. As ferramentas são muitas vezes compartilhadas entre os membros da equipe e a tecnologia RFID garante que não faltemdentro da instalação. Neste caso, os leitores de RFID são instalados em “berços de ferramenta”, com as etiquetas grudadas às ferramentas que necessitam de calibração ou de manutenção. A empresa também etiqueta alguns componentes como mantas de isolamento térmico, normalmente de 300 a 500, cada uma com uma etiqueta RFID passiva UHF.