RFID Noticias

Plastrom Sensormatic aposta em RFID no varejo

Empresa do grupo internacional Tyco está integrando as suas soluções para varejo com identificação por radiofrequência

Por Edson Perin

21 de fevereiro de 2013 - Vigilância eletrônica de mercadorias, circuito fechado de TV, cadeados eletrônicos, soluções para frente de caixa, entre outras aplicações para o varejo são oferecidas pela Plastrom Sensormatic, uma empresa do Grupo Tyco International. E há cerca de um ano, a subsidiária brasileira da empresa se prepara para integrar estes sistemas com a tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID).

Bruno Calaça, da Plastrom Sensormatic
Os sistemas para varejo são o foco da Tyco, que, nos últimos anos, vem desenvolvendo projetos com RFID no exterior. “No ano passado, fui convidado para estruturar esta área de RFID no Brasil”, explica Bruno Calaça, principal executivo de RFID da Plastrom Sensormatic. “Trazer esta tecnologia para o Brasil, desenvolver este mercado aqui para o varejo, é o meu foco”.

De lá para cá muita coisa aconteceu, segundo Calaça. “O principal foi o aprendizado. Temos parcerias lá fora que nos permitem vender RFID aqui. Com a Impinj, é uma parceria global. Temos também relacionamento com empresas que integram equipamentos da Zebra e da Motorola no Brasil”, completa Calaça, dizendo que neste ano estão desenvolvendo um projeto piloto para um grande cliente local.

Uma das iniciativas deste ano, no planejamento do executivo, é a montagem de um showroom em Barueri (SP), onde a empresa está instalada, para demonstrar suas soluções para o varejo com RFID. “Teremos um enfoque especial em RFID agora. Estamos em estudos bem avançados para o uso próprio do RFID, em nossas operações. Estamos centrando o nosso investimento em capacitação de pessoas. Ou seja, estamos realizando muitos treinamentos desde o ano passado e neste ano também”.

“O preparo da equipe de RFID já começou”, de acordo com Calaça, dizendo que já foram capacitadas em RFID mais ou menos 10 pessoas da área de vendas. Em abril, a empresa deverá introduzir recursos de treinamento online em RFID.

“Estamos trabalhando com uma visão de médio e longo prazos. A empresa quer fazer tudo de forma estruturada, com grande potencial de atender à demanda. Nos próximos cincoanos, metade da movimentação do varejo têxtil estará em RFID. Nos últimos cinco anos, ainda estávamos nos estruturando e compreendendo o mercado”, completa.

Dentro da própria estratégia da Tyco, afirma Calaça, os próximos cinco anos terão uma forte expansão dos investimentos em RFID no setor têxtil, calçadistas e de eletrônicos. “A tecnologia RFID principalmente demanda um alto conhecimento em software. O grande diferencial da tecnologia está no software. A nossa tecnologia é tão utilizada no mercado norte-americano por isso”, pondera.

Para o executivo, com o mercado de RFID se expandindo, haverá uma exigência maior de mão-de-obra especializada e qualificada. “Sim, estamos em busca de profissionais de mercado: desenvolvimento de aplicações, com os equipamentos e soluções que existem. As empresas precisam se diferenciar pela sua capacidade de desenvolvimento de soluções. Customizações, aplicativos e integrações com os sistemas em operação”.