RFID Noticias

Clínica oftalmológica monitora espera com RTLS

O texano Key-Whitman Eye Center instalou um sistema de infravermelho (IR) e RFID para reduzir o tempo de espera dos pacientes

Por Claire Swedberg

13 de dezembro de 2012 - O Key-Whitman Eye Center, prestador de serviços oftalmológicos no Texas, com clínicas em Dallas, Arlington e Plano, orgulha-se por fornecer serviços médicos de ponta utilizando as mais recentes tecnologias (como LASIK, para cirurgia de olho a laser). A reputação que o centro ganhou, no entanto, também levou a alguns problemas devido à sua grande popularidade: ou seja, uma longa fila de espera de pacientes que chegam para exames e procedimentos cirúrgicos.

Para solucionar o problema, o centro instalou um sistema de localização em tempo real (RTLS) fornecido pela Versus Technology, usando infravermelho (IR) e tecnologias de identificação por radiofrequência, de acordo com Dan Chambers, diretor administrativo da clínica de olhos. Ao rastrear os movimentos dos pacientes, funcionários e médicos do centro esperam saber onde e por quanto tempo os pacientes permanecem em cada local da clínica para cada tipo de atividade médica. Esta informação irá permitir que a equipe possa resolver problemas em tempo real e também fornecer informações valiosas para a análise de negócios no final de cada dia.

O centro Key-Whitman está com o sistema Versus Advantages Clinic Module funcionando em Dallas, onde de 120 a 140 pacientes são atendidos diariamente. Em seguida, o sistema será integrado na clínica Plano, onde 100 pacientes são atendidos por dia. A terceira clínica, localizada em Arlington, é muito menor e não terá a tecnologia, na avaliação da empresa.

Segundo Chambers, os procedimentos e fluxo de pacientes nas duas maiores clínicas estão constantemente se alterando, já que as visitas e os serviços variam consideravelmente. A clínica Dallas oferece procedimentos cirúrgicos, bem como exames e outros serviços de cuidados. A visita de um paciente pode durar horas, passando por onde, por exemplo, o paciente recebe colírio para dilatar as íris e segue depois para outro local, tal como uma sala de exames. Se um teste é necessário com base em resultados de um exame, o paciente será então segue para outra área da clínica, com um total de 20 mil metros quadrados. Para alguns pacientes, isso pode significar passar várias horas dentro do centro, em longas esperas.

Para Chambers, o desafio é reduzir os tempos de espera em ambas as clínicas e mover os pacientes mais rapidamente ao longo da sua visita. O Key-Whitman adquiriu uma solução de software Simcad, da CreateASoft, que ajuda a empresa a simular o layout de cada clínica e atualizar o projeto pelas necessidades de fluxo. No entanto, introduzir os dados necessários ainda era uma tarefa trabalhosa.

O Key-Whitman olhou para o uso de registros médicos eletrônicos para acompanhar as visitas dos pacientes, mas os dados resultantes estavam muitas vezes incorretos, exigindo da equipe avaliar manualmente. "Tivemos um dilema diante de nós", afirma Chambers. "Os carimbos de tempo não refletiam os processos em tempo real".