RFID Noticias

Hospital Espanhol implanta RFID para gerenciar pacientes

Centro de Recuperacion y Rehabilitacion de Levante adota tags e leitores ZigBee RFID para melhorar eficiência e qualidade do atendimento

Por Claire Swedberg

12 de dezembro de 2012 - O Centro de Recuperación y Rehabilitación de Levante (CRRL), um hospital localizado em Valência, na Espanha, está empregando um sistema de localização em tempo real (RTLS) para rastrear pacientes e ativos ao longo de seus 260.000 metros quadrados de instalações, para permitir que os membros da equipe possam identificar os pacientes em carrinhos móveis com leitores de RFID (identificação por radiofrequência).

A tecnologia foi fornecida pela MySphera, uma divisão do TSB Group. A solução oferece ao hospital visibilidade sobre os locais onde os pacientes circulam, a fim de melhorar a qualidade dos cuidados prestados, tornando mais rápida e mais fácil a localização de equipamentos, pacientes e pessoal, com mais segurança, já que também ajuda a assegurar que cada paciente receba a medicação adequada ou outros cuidados, reduzindo assim o risco de erros.
O CRRL, um dos maiores hospitais do país, atende até 1.500 pacientes por vez utilizando a solução MySphera de RTLS, conhecida como SpheraHospital, que tags RFID ativas, a bateria, ligadas a ativos e pulseiras de identificação de pacientes. Cada tag transmite um número de identificação único a cada dois segundos através de um sinal de 2,4 GHz. Esse sinal é recebido por balizas fixas para determinam a localização da tag, e por balizas móveis conectadas a computadores que, então, mostram informações sobre cada paciente, por meio de sua tag pessoal.

De acordo com Serafim Arroyo, diretor de marketing da MySphera, a SpheraHospital utiliza a tecnologia ZigBee, baseado no padrão IEEE 802.15.4, que oferece uma opção de menor custo do que muitas outras soluções RTLS ativas, e não interfere com os sistemas nativos do hospital para transmissões sem fio, como Wi-Fi.

Cada paciente usa uma pulseira com tag RFID ativa

Na seleção da tecnologia, diz Pilar Raro, diretora de estratégia de desenvolvimento, o CRRL procurou um método para melhorar os processos clínicos e eliminando a possibilidade de erros, por exemplo, fornecendo o tipo incorreto de transfusão de sangue, procedimento cirúrgico ou medicação. O CRRL também queria que os membros da equipe tivessem acesso rápido às ferramentas necessárias a qualquer momento, especialmente em uma emergência médica.

Quando se trata de rastreamento de pacientes, o sistema foi projetado para melhorar a eficiência do atendimento, garantindo assim que a gestão hospitalar saiba que tipo de cuidados cada paciente necessita e, assim, o que ele ou ela ainda pode exigir.