RFID Noticias

Centro Médico Tufts economiza US$ 1,5 milhão com RFID

O sistema de inventário e gestão de estoques do hospital reduziu os custos de compras, fornecendo melhores dados sobre os itens consumidos em suas salas de procedimento

Por Mark Roberti

21 de novembro de 2012 - O Tufts Medical Center (Tufts MC), hospital-escola com 415 leitos, localizado em Boston, já economizou US$ 1,5 milhão em stents, balões de angioplastia e outros dispositivos implantáveis, com base em informações fornecidas pela solução de identificação por radiofrequência (RFID) que trabalha acoplada ao sistema de gestão de inventário da área de cateterismo, eletrofisiologia e laboratórios de radiologia intervencionista. O sistema é fornecido como serviço pela empresa WaveMark.

O Tufts MC tem 11 salas de procedimentos: quatro para cateterismo cardíaco, três para eletrofisiologia, três para radiologia intervencionista e uma sala cirúrgica híbrida para cirurgias minimamente invasivas. A instalação lida com 7.000 procedimentos por ano e mantém um inventário de dispositivos implantáveis avaliados em US$ 2 milhões.

Diane Hubisz, do Centro Médico Tufts

Diane Hubisz, diretora de operações do Centro CardioVascular do Tufts MC, disse ao público da conferência e exposição RFID in Healthcare que o centro médico decidiu rastrear suprimentos dentro de seu cateterismo, eletrofisiologia e laboratórios de radiologia intervencionista, porque são áreas responsáveis por 70% dos custos de laboratório.

Em 2009, as empresas assinaram um acordo para usar o software WaveMark as-a-service (SaaS – ou seja, como serviço) para sistemas de RFID. Quando itens de alto valor chegam, são marcados com etiquetas passivas de alta freqüência (HF), de 13,56 MHz, compatíveis com o padrão ISO 15693, e são colocados dentro de um armário de armazenamento WaveMark inteligente com um interrogador RFID embutido. Atualmente, o hospital mantém 35 armários para controlar um total de 5.221 produtos, cada um com um valor de mais de US$ 50.

"Antes de introduzir RFID, nós não tínhamos um sistema de inventário", disse Hubisz. "Nós já havíamos tentado um sistema de código de barras que não foi eficaz, por isso tivemos recorrer ao uso de um sistema manual". Monitorar com precisão os níveis de inventário foi difícil, segundo Hubisz, porque o Tufts MC tem múltiplos fornecedores. O gerenciamento de estoque foi ainda mais complicado pela introdução constante de novos produtos, a expiração rápida do prazo de validade e a obsolescência de bens e do envolvimento de médicos que não tinham informações sobre o custo dos itens que eram pedidos.