RFID Noticias

Farmácia hospitalar mantém controle sobre kits de emergência

O Centro Médico da Universidade de Maryland, nos EUA, emprega RFID para identificar medicamentos necessários nas bandejas dos carrinhos de atendimento

Por Claire Swedberg

25 de outubro de 2012 - O departamento de farmácia do Centro Médico da Universidade de Maryland (UMMC), nos Estados Unidos (EUA), um hospital de 750 leitos localizado em Baltimore, está empregando uma solução baseada em RFID para ajudar a controlar o estoque de kits de medicamentos transportados pelo hospital para o uso em casos de emergência. Graças à tecnologia, fornecida pela empresa de RFID Kit Check, o hospital sabe o que é carregado em cada tabuleiro, além de quais medicamentos estão perto de suas datas de expiração. Além disso, a instalação reduziu o tempo necessário para o carregamento de cada bandeja de emergência, dos cerca de 20 minutos anteriores para menos de 5 minutos.

Os medicamentos de emergência são usados em pacientes que podem ter sofrido um ataque cardíaco ou uma reação alérgica grave que requer intervenção imediata. Cada estojo é fornecido com 25 ou 50 itens e permanece lacrado até ser solicitado para uso. Quando o kit não é mais necessário, deve ser devolvido à farmácia, onde o que foi usado será substituído. Os trabalhadores então lacram o kit novamente para utilização e também gravam as datas de vencimento de cada item dentro do kit, a fim de garantir que nada será usado após o vencimento.

Quando um kit para emergência é colocado dentro da estação Kit Check, o leitor RFID identifica quais medicamentos estão faltando ou se aproximando do término de suas datas de validade

Até a instalação do sistema de RFID, que ocorreu em abril de 2012, cada data de validade tinha de ser escrita à mão em um pedaço de papel, com dois funcionários fiscalizando os kits para evitar erros.

O departamento de farmácia optou por utilizar a solução Kit Check para automatizar o processo, segundo Adrienne Shepardson, gerente de serviços de farmácia do hospital, para proporcionar uma maior garantia contra falhas. Se um item não for substituído no prazo determinado, a saúde de um paciente pode estar em risco. Se um medicamento expira, ele deve ser descartado sem ser usado.

A Kit Check forneceu ao hospital um aparelho conhecido como estação Kit Check, com um leitor RFID. Quando o tabuleiro é colocado no leitor, um usuário pode pressionar o botão Scan, fazendo o dispositivo interrogar todas as tags que estiverem ali. O leitor é ligado a um computador que transmite os dados lidos para um servidor baseado em nuvem, hospedados pela Kit Check. O software no servidor exibe os resultados no monitor do PC.