Notas do Editor

Implantações em empresas ganham impulso

2012 não tende a ter grande crescimento econômico nos EUA, mas muitas empresas estão adotando RFID como arquitetura para levar benefícios para toda a empresa

Por Mark Roberti

22 de fevereiro de 2012 - Em novembro de 2008, escrevi uma coluna discutindo a crise financeira, na qual eu disse: "Quando as coisas ficam complicadas, o que é difícil tornar-se mais inteligente e mais contornável, investindo em uma infraestrutura corporativa que pode trazer benefícios duradouros". Neste ano, o RFID Journal comemora seus primeiros 10 anos e eu estou contente de que está se tornando realidade a visão que tenho difundido sobre o mercado corporativo, ou seja, de que as empresas estão mesmo aproveitando a identificação por radiofrequência (RFID) para obter benefícios concretos.

A Airbus continua a ser, na minha opinião, a líder em implantação de RFID como infraestrutura para melhor gerenciar o seu negócio. A empresa já implantou sistemas passivos e ativos de RFID para gerenciar ferramentas, gabaritos, embarques de peças e muito mais, e continua a evoluir sua infraestrutura de modo constante. A empresa tem atingido diversos benefícios das aplicações específicas em cada instalação e usa isso como parâmetro para que outras pessoas possam avaliar os benefícios potenciais antes de investir. Isto levou a um progresso constante, consistente.

Mark Roberti, fundador e editor do RFID Journal
A Cisco Systems, por exemplo, implantou um sistema de RFID na empresa toda para rastrear e gerenciar ativos de data center e outros equipamentos de TI (Tecnologia da Informação). É uma das maiores implantações até hoje e, provavelmente, vai incentivar outras empresas com muitos ativos de TI a empregar o RFID para gerenciar melhor estes itens.

Sei que outras empresas também estão adotando uma abordagem para todo o seu ambiente corporativo. Apesar de o Wal-Mart não ter dado muitas informações públicas durante os últimos dois anos, é do meu conhecimento que a rede varejista tem feito progressos na integração de seus dados de RFID para rastreamento de roupas com o seu sistema de TI. Assim, o Wal-Mart não se limita a coletar informações e usá-las para reabastecer as prateleiras, com um aplicativo independente – a RFID está totalmente conectada aos seus sistemas de TI.

A JCPenney Co. é outra empresa varejista dos Estados Unidos (EUA) que tem se mantido calada a respeito de seus esforços, mas já se sabe que a empresa está rastreando todas as calças jeans, sutiãs e sapatos dentro de suas 1.100 lojas, colocando-a à frente da maioria dos outros varejistas. Gostaria que todas as empresas estivessem mais abertas ao uso da tecnologia e aos benefícios possíveis, e é ainda mais emocionante saber que várias estão implantando RFID, progressivamente, em escala empresarial.

Eu não espero que a RFID tenha um crescimento explosivo em 2012, mas tenho visto que alguns dos pioneiros que começaram a olhar para esta tecnologia a sério há três ou quatro anos farão lançamentos significativos neste ano. Os investimentos vão render no longo prazo, por proporcionar maior visibilidade em muitos aspectos de suas operações, permitindo se tornarem mais eficientes, flexíveis e coerentes na sua execução. E isso é o que a tecnologia RFID tem sido.

A Cisco Systems vai discutir sua abordagem de empresarial para o rastreamento de ativos de TI no RFID Journal LIVE! 2012, a ser realizado de 3 a 5 de abril, em Orlando, na Flórida. Espero que outros venham para o palco e contem a sua história também.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal.
  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »