Notas do Editor

Pensar estrategicamente, agir taticamente

Indústria e construção estão em alta nos EUA, porém, é provável que seja um ano de crescimento modesto no qual as empresas terão de focar em eficiência

Por Mark Roberti

19 de janeiro de 2012 - O ano novo está tendo um início forte nos Estados Unidos (EUA), economicamente falando. Não muito depois do anúncio da chegada de 2012 em Times Square, Nova York, relatórios mostraram que a indústria tinha crescido em dezembro no ritmo mais rápido em seis meses e que o desemprego caiu para 8,5%, o nível mais baixo em quase três anos. A construção de novas moradias cresceu, assim como a confiança do consumidor.

O mercado de ações dos EUA fechou no primeiro dia de negociação e, quando isso acontece, as ações quase sempre estão em grande alta. Ainda assim, a economia dos EUA está penando para crescer – a construção de casas, por exemplo, ainda representa cerca de metade do que deveria ser – e há alguns sinais preocupantes de que a crise da dívida terá um grande impacto sobre o crescimento econômico deste ano. Além disso, o setor industrial da China está brando.


Mark Roberti
A maior preocupação é que em todo o mundo os consumidores estão carregados de dívidas e não farão gastos de forma agressiva tão breve. Nos EUA, 70% da economia está atrelada ao gasto do consumidor, por isso, é provável que este seja um ano de crescimento modesto para a maioria das empresas.

As empresas inteligentes estão planejando aproveitar este período para aumentar a eficiência, não apenas para melhorar na base, mas também para aumentar a competitividade quando a economia inevitavelmente voltar a crescer. Alguns dizem que não podem investir porque as margens estão comprimidas. Eu acho que é um erro sacrificar competitividade a longo prazo para rentabilizar a curto prazo – e não é uma escolha “ou isso ou aquilo”. As empresas podem investir em RFID e outras novas tecnologias e ainda manter a rentabilidade.