Notas do Editor

O ano que passou

2011 teve altos e baixos na economia mundial e, apesar disso, muitas empresas investiram em RFID para rastrear produtos, bens e monitorar instalações

Por Mark Roberti

5 de janeiro de 2012 - O ano de 2011 começou bem. Havia muita confiança de que a economia global estaria lentamente emergindo da Grande Recessão. O RFID Journal LIVE! 2011 foi realizado com um bom equilíbrio entre energia e negócios. Porém, as discussões no Congresso dos EUA sobre aumentar ou não o limite máximo de endividamento atingiram o otimismo do consumidor e reduziram gastos. Então, as preocupações crescentes com a estabilidade financeira da Grécia e de outras nações européias fortaleceram ainda mais a incerteza econômica.

Apesar de a economia continuar frágil, as empresas avançaram no emprego da identificação por radiofrequência para melhorar a forma como fazem negócios. Uma tendência-chave: RFID entrou no início da Fase 2 de adoção. A Fase 1, para mim, foi utilizar a tecnologia da forma mais básica, para identificar objetos e determinar suas localizações. A Fase 2 envolve o uso de RFID para saber o que um item é e onde está localizado, além de monitorar seu estado ou condição. A Fase 3 será a de empregar RFID para controlar objetos ou o ambiente automaticamente, e introduzir robôs para executar tarefas com base em um sistema RFID.


Mark Roberti


Porém, de maneira nenhuma, quero dizer que a Fase 1 se encerrou. Muitas empresas ainda não começaram a usar RFID para identificar produtos, ativos, processo de trabalho e assim por diante. Mas a adoção de uma tecnologia não é um processo linear e organizado, assim como a sua evolução não é. Ou seja, algumas empresas podem pular a Fase 1 e se mover direto para a Fase 2 ou 3, porque tem uma necessidade de negócio específica.

Aqui estão alguns artigos do ano passado, que mostram como as empresas estão utilizando identificação por frequência de rádio para monitorar as condições de coisas no mundo real:

With RFID, Malaysian Logistics Company Gets Fewer Blowouts
Lee Ting San Group has begun attaching rubber-encased EPC Gen 2 tags to tires on some of its trucks, to help it track inspection and maintenance.

To Keep Drugs from Expiring, Hospital Tests Intelliguard System
The San Diego facility hopes to save costs by deploying MEPS Real-Time's drug-management system, which uses RFID-enabled drug-dispensing cabinets in conjunction with standard EPC Gen 2 tags.