Notas do Editor

RFID é o primeiro passo para a transformação digital

Empresas que querem aproveitar os avanços da inteligência artificial precisam implantar tecnologias de identificação por radiofrequência

Por Mark Roberti

9 de maio de 2018 - Eu acredito que o termo "transformação digital" significa não apenas aplicar tecnologia a vários aspectos de um negócio, mas romper a barreira entre o mundo real e o digital, de modo que as aplicações de computador e a inteligência artificial (IA) possam ser usadas para criar eficiências novas e sem precedentes, bem como vantagem competitiva. A tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) é a base das transformações digitais mais bem-sucedidas.

Por quê? Porque a RFID permite que as empresas coletem grandes quantidades de informações em formato digital em relação ao que está acontecendo no mundo real. Não é a única maneira de coletar informações sem envolvimento humano e a baixo custo - vídeo, robôs, sensores com fio e outros sistemas terão um papel claro - mas tags RFID de baixo custo podem ser colocadas na grande maioria das coisas que as empresas possuem sem fonte de energia e que se movimenta. Isso permite que as empresas melhorem muito o modo como fazem negócios.

Vamos tomar como exemplo a Delta Air Lines, que instalou mais de 240.000 etiquetas RFID em geradores de oxigênio, coletes salva-vidas e equipamentos de emergência em todas as suas mais de 800 aeronaves. Resultado: a companhia aérea pode agora verificar as datas de vencimento dos geradores de oxigênio a bordo de um 757 em menos de dois minutos, enquanto costumava levar aproximadamente oito horas-homem. Isso marca um passo em direção à transformação digital.

Por fim, a Delta poderá instalar leitores de RFID em aeronaves (após receber aprovação da Administração Federal de Aviação dos EUA, é claro) e saber, em tempo real, quando os geradores de oxigênio expirarão e precisarão ser substituídos. A empresa já pode planejar melhor substituir esses geradores, encomendando-os com antecedência e tendo-os em aeroportos onde os aviões com geradores que estão prestes a expirar em breve pousarão.

Essas informações podem ser facilmente compartilhadas - já que são digitais - com os fornecedores de geradores de oxigênio, para que essas empresas possam solicitar materiais com antecedência para atender às necessidades da Delta. A Delta poderá eventualmente usar inteligência artificial para solicitar geradores de oxigênio e tê-los entregues e instalados da maneira mais eficiente possível, com base em onde os aviões com geradores que estão expirando estão voando.