Notas do Editor

Lâmpadas inteligentes vão mudar o mundo

Empresas do setor de iluminação pensam em vender serviços que vão muito além do que simplesmente tornar os ambientes mais claros

Por Edson Perin

22 de maio de 2017 - "IoT Powers Intelligent Lighting Solution" (em português, "Internet das Coisas fortalece solução de iluminação inteligente") foi o título da palestra que apresentei no dia 11 de maio, no RFID Journal LIVE! 2017, em uma sala mais cheia do que eu imaginava. Na ocasião, falei sobre como as soluções inteligentes de iluminação podem levar a IoT para um patamar poderoso e ainda pouco imaginado.

Eu me deparei pela primeira vez com o tema "Iluminação e Internet das Coisas" quando recebi um comunicado de imprensa informando que uma startup de iluminação dos EUA uniu forças com um fornecedor brasileiro de soluções convencionais de iluminação e de LED (Brasileira Lumicenter aposta em plataforma IoT). A ideia era integrar e desenvolver o conceito de Internet das Coisas em produtos de iluminação a serem implantados em empresas brasileiras.

A parceria envolve uma plataforma que visa a evoluir os sistemas de iluminação para algo muito maior do que controlar a iluminação ou gerenciar o consumo de energia de lâmpadas de LED, porque inclui o gerenciamento de beacons, por exemplo, para dar suporte a iniciativas de marketing em aplicações de varejo - e muito mais.

Depois de escrever a matéria sobre esta parceria, resolvi me aprofundar nesse assunto e descobri coisas surpreendentes.

Vamos lembrar primeiro que Internet das Coisas significa colher dados do Mundo Físico automaticamente para alimentar os sistemas de TI (Tecnologia da Informação). Se você tem coisas no Mundo Físico, você deve descobrir uma maneira de obter informações automaticamente sobre estes objetos, animais ou até mesmo indivíduos humanos, sem usar as pessoas para fazê-lo.

E por que não usar as pessoas? Porque as pessoas são caras e as informações que colhem não são 100% confiáveis. Os seres humanos contam errado, distraem-se e se cansam de repetir a mesma tarefa várias vezes. Pessoas cometem erros!

Um exemplo de tecnologia para fazer melhor do que as pessoas é a RFID ou identificação por radiofrequência, que é a base da chamada Internet das Coisas. A RFID pode ler dados do mundo físico muito melhor do que as pessoas, mesmo quando os seres humanos estão usando códigos de barras. Para concluir, quando dados confiáveis alimentam os sistemas, podem ser usados em soluções analíticas para ajudar os tomadores de decisão a realizar o seu trabalho.

Voltando para os sistemas de iluminação, eu acredito que as lâmpadas desempenharão um papel muito nobre no Mundo da Inteligência Artificial, que ainda está em fase embrionária. As luzes podem habilitar a IoT de um modo poderoso e isto eu consegui enxergar quando conheci a Gooee, a startup na Flórida, que desenvolveu uma plataforma de iluminação inteligente muito ampla e fez parceria de vendas com a brasileira Lumicenter.

A ideia de usar lâmpadas para além de apenas dispositivos de iluminação realmente representa uma grande inovação. Fornecer claridade é apenas um pouco do que as Smart Lights (Lâmpadas Inteligentes) podem fazer de agora em diante. Afinal, se adicionarmos um circuito integrado (ou IC, de integrated circuit) - com um chip - em um dispositivo de luz, este se tornará uma lâmpada inteligente.