Notas do Editor

IATA mostra que empresas aéreas estão adotando RFID

À medida que mais peças recebem etiquetas em aviões da Airbus e Boeing, as operadoras estão começando a descobrir o valor da tecnologia

Por Mark Roberti

18 de dezembro de 2015 - Algumas semanas atrás, assisti a RFID & Paperless Aircraft Technical Operations Conference (2015), organizada pela International Air Transport Association (IATA). O primeiro dia focou nas operações técnicas de aeronaves, sem papel, enquanto o segundo dia se concentrou em identificação por radiofrequência (RFID).

Palestrei no mesmo evento no ano passado, que foi realizado nas instalações da Airbus, em Toulouse, França. Parecia que não havia mais interesse em RFID. Mas as estatísticas parecem confirmar minha impressão subjetiva. Mais de 100 pessoas participaram dos dois dias, desta vez, em comparação com 65 no ano passado. E havia 21 companhias aéreas representadas neste ano, contra 15 em 2014.

Boeing and Airbus deram atualizações sobre os seus projetos. Houve também apresentações da Jetstar Airways, Swiss International Air Lines, Delta Airlines, TAP Portugal e KLM Royal Dutch Airlines. Honeywell e Rockwell Collins, que fornecem peças e manutenção para companhias aéreas, também discutiram seus projetos de RFID.

As companhias aéreas presentes desejam ouvir quando poderiam usar as tags colocados em assentos, coletes salva-vidas e outras partes do avião para seu próprio benefício. As apresentações também abriram os olhos das pessoas sobre como a RFID pode ser usada dentro de suas próprias operações de manutenção para reduzir custos, melhorar a eficiência e reduzir a incidência de erros manuais.

Falei com alguns participantes de companhias aéreas. "Temos financiamento para iniciar um piloto no início do próximo ano", disse-me. "Nós sabemos que deveríamos estar fazendo algo com RFID", disse outro, "por isso estamos aqui para aprender". Vi participantes se aproximando de palestrantes para pedir conselhos, enquanto no evento do ano passado, senti que a maioria dos visitantes foi porque seus patrões tinham mandado eles para descobrir o que outras companhias aéreas estavam fazendo.

No terceiro dia da conferência, o grupo visitou as instalações da Delta em Hartsfield-Jackson Atlanta International Airport. Um representante da Delta foi escoltado a um hangar, onde apresentaram um avião com um leitor portátil. Fomos capazes de ler as etiquetas em todos os coletes salva-vidas e tubos de oxigênio em um minuto. Foi incrível ver o quão bem as tags podem ser interrogadas. Nós não acenamos a mão e simplesmente andamos pelo corredor pegando todas as tags.

Parece que a adopção generalizada de RFID na indústria aérea começou. A Airbus tem instalado itens com etiquetas em sua nova aeronave e a Boeing está seguindo o exemplo. As companhias aéreas estão começando a perceber como estas tags podem ser usadas para reduzir tempo de trabalhadores e passar a verificação de coletes salva-vidas e expiração de tanques de oxigênio em aviões.

A aplicação inicial visa a realizar como o rastreamento de jeans fez para os varejistas: uma maneira rápida e fácil de ver os grandes benefícios que a RFID pode oferecer, e está levando as empresas a olhar para o que mais podem fazer. As que começaram com acompanhamento de coletes salva-vidas agora estão se movendo para outras aplicações dentro da área de manutenção. É apenas uma questão de tempo para a RFID ser utilizado na indústria da aviação para identificar e rastrear peças e gerir a sua manutenção.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal.

  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »