Notas do Editor

RFID, Pessoas e Processos

Quando a tecnologia não funciona, muitas vezes é resultado de um treinamento impróprio ou incapacidade de seguir rigorosamente os processos

Por Mark Roberti

23 de novembro de 2015 - Em um evento do RFID Journal realizado alguns anos atrás, havia muita discussão sobre como obter tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) para funcionar corretamente. Empresas falavam sobre como superaram os problemas da presença de água ou de metal em seu ambiente ou da incapacidade de um sistema de localização em tempo real ativo (RTLS) de encontrar com precisão os ativos com tags. Na semana retrasada, realizamos o RFID Journal LIVE! Europe, o nosso 11º evento anual na região, e não havia quase nenhuma discussão sobre tecnologia. O foco estava em pessoas e processos.

O Dr. Bill Hardgrave, decano da Harbert College of Business e fundador do Auburn University RFID Lab, levantou estas questões durante seu discurso. Ele disse à plateia que, sempre que uma empresa visita o laboratório e diz que realizou uma prova de conceito ou um piloto que tenha falhado, a sua equipa vai buscar as razões para essa falha. "E em quase todos os casos", relatou ele, "é devido a erro humano".

Um exemplo oferecido por Hardgrave é o de um varejista que escalou funcionários da loja para contar o inventário usando leitores portáteis, mas a falha foi fazê-lo de modo não apropriado, ou quando ou como deveriam. "Isso não é culpa da tecnologia", disse ele. "Isso é erro humano".

Outro problema, segundo Hardgrave, é que as empresas de RFID às vezes passam por cima de práticas de código de barras existentes. Essa abordagem não maximiza os benefícios que podem ser obtidos com a utilização da RFID e, de fato, provavelmente minimiza-os. Pior, diz Hardgrave, esta abordagem "pode agravar todas as questões de processo que você tem". Ele sugeriu às empresas olhar para a RFID como uma forma de melhorar os processos existentes.

Hardgrave descreveu uma auditoria ao laboratório conduzido por um varejista que tinha apenas uma taxa de precisão de 75% com RFID, o que é extremamente baixo (acima de 95% é o mais comum). A auditoria constatou que 2,5% das vezes, um item não foi detectado porque não tinha inlay. Em um pequeno número de casos, o motivo foi que um cliente tinha retornado um produto sem a sua tag, mas principalmente porque o fornecedor não tinha etiquetado o item.