Notas do Editor

Oportunidades para investidores atentos

A RFID amadureceu tanto para desenvolvedores de soluções como para usuários, mas ainda há muito espaço para negócios em diversos setores

Por Edson Perin

29 de junho de 2015 - Em meados deste mês de junho de 2015, fui palestrante convidado do evento anual da Totvs, uma das maiores desenvolvedoras de software de gestão (ERP) do mundo e líder na América Latina, segundo o Gartner. Na ocasião, fui contatado por diversas pessoas, tanto as interessadas em saber mais sobre como usar as tecnologias de identificação por radiofrequência (RFID) e também de Internet das Coisas (IoT), como por representantes de empresas e empreendedores ávidos por oportunidades para implantar soluções deste tipo.

O evento começou cedo e durou o dia todo, com algumas milhares de pessoas circulando pelo pavilhão vermelho do Expo Center Norte, em São Paulo (SP). Por volta das 16h30, para quando estava programada a minha palestra sobre RFID e IoT na área de Manufatura, do Universo Totvs, havia poucas pessoas assistindo às sessões. Nesta fase do evento, formaram-se diversos aglomerados de gente conversando fora das salas e fazendo contatos, o que é uma possibilidade fantástica de ampliar relacionamentos profissionais neste tipo de ambiente. Porém, ao subir no palco para dar a palestra, tive uma grata surpresa.

A minha sala estava completamente lotada por participantes do evento! As outras, em sua maior parte, estavam ficando cada vez mais vazias naquele horário. Isto me mostrou que os temas que eu iria abordar, RFID e IoT, estavam realmente alinhados com o interesse do público e, por isso, atraíram uma massa bem grande de pessoas.

Havia profissionais de empresas de todos os ramos de manufatura – de automóveis a produtos químicos, passando por máquinas e bens de consumo – interessados em saber o que a RFID poderia fazer para as suas operações ganharem maiores competitividade e eficiência. Falei sobre diversos aspectos da RFID nos negócios, mas o que mais chamou a atenção da plateia foi um estudo da Accenture, mostrando que 60% dos custos de manufatura estão nas operações de logística, onde a RFID pode reduzir despesas drasticamente.

Também despertaram bastante interesse do público os temas Indústria 4.0, também chamada de "A Quarta Revolução Industrial" (leia mais em A RFID é a base da Indústria 4.0), e Omni Channel (Sem RFID, sem Omni Channel). Abordei ambos os temas durante a minha palestra inicial, nos primeiros 30 minutos de um total de uma hora.

Na segunda metade da sessão, participei como mediador de uma mesa redonda com executivos da Totvs e fornecedores de tecnologia, inclusive da Honeywell, representada pelo seu diretor de vendas Reinaldo Andrade, e da If-RFID. Ao final das duas etapas da minha participação, houve muitas perguntas feitas pelo público. As principais estavam relacionadas ao custo das tags e às dificuldades para implantar os sistemas de RFID.