Notas do Editor

Airbus continua a inovar

Com a nomeação de Carlo Nizam para dirigir sua estratégia de digitalização, a fabricante de aviões traça uma trajetória de vôo em direção a uma maior eficiência e rentabilidade

Por Mark Roberti

17 de junho de 2015 - Na semana passada, informamos que a Airbus nomeou Carlo K. Nizam para liderar seus esforços para digitalização de processos de negócios em todo o Airbus Group, que inclui a Airbus Aviação Comercial, Helicópteros e a Airbus Defesa e Espaço (veja em Carlo Nizam liderará TIC da Airbus). Este é um movimento brilhante, que vai ajudar a empresa aeroespacial baseada em Toulouse a aumentar a eficiência e rentabilidade.

Nizam, é claro, foi o chefe dos esforços de RFID da Airbus nos últimos sete anos. Sempre me impressionei com sua liderança e abordagem que levou para dentro da Airbus. Primeiro, todos os projetos RFID são executados em uma plataforma de tecnologia de informação comum. Divisões individuais não podem sair e implantar um sistema incompatível com o hardware e software RFID usado em outras partes da empresa. Isso reduz o custo total de propriedade e garante a interoperabilidade.

Em segundo lugar, a Airbus não está tentando apressadamente implantar RFID em todas as áreas de negócios, em um curto período de tempo. Em vez disso, Nizam desenvolveu uma série de cálculos de retorno sobre o investimento (ROI). Cada projeto é avaliado e priorizado com base nos benefícios que trará para a empresa, para que os projetos possam ser executados de modo sistemático.

Em terceiro lugar, os projetos bem sucedidos são replicados em outras partes da empresa. Assim, depois que a companhia revelou o valor do uso de uma solução de RFID para rastrear componentes da aeronave de transporte militar A400M, o mesmo sistema foi implantado em suas instalações para construção do A380 e outras aeronaves comerciais. Desta forma, está construindo uma arquitetura RFID para toda a empresa, garantindo que cada parte de toda a solução funcione antes se ser expandida.

A Airbus tem aprendido com as suas muitas implantações bem-sucedidas que a RFID pode ser usada para capturar dados que permitem aos gestores medir o tempo necessário para várias tarefas. Desde que a Airbus passou a medir a produtividade, pode comparar o tempo que leva para completar as mesmas tarefas de recepção de uma remessa de peças ou para reunir subcomponentes, por exemplo, e para otimizar o processo para garantir que todas as instalações sejam tão eficientes quanto possível.