Notas do Editor

Acordo com universidades beneficia Woodside

Tive a oportunidade de visitar o centro de pesquisa Projeto Eco e saí de lá positivamente impressionado com o que vi

Por Mark Roberti

22 de setembro de 2014 - Recentemente, tive a oportunidade de visitar o Challenger Institute of Technology, a casa do Projeto Echo, após a conclusão do nosso evento RFID in Energy, Mining & Construction, realizado simultaneamente ao 4th LCI Australian Lean Construction Conference, em Perth, Austrália. O Projeto Echo é um programa de pesquisa de construção enxuta iniciado pela Woodside Energy, uma empresa australiana líder em óleo e gás. Pesquisadores da Curtin University colaboram com o projeto, que tem o apoio do governo.

O centro de pesquisa tem uma pequena operação de produção de petróleo, que é usada para treinar funcionários de empresas locais de energia. Os alunos envolvidos com o Projeto Echo estão desenvolvendo soluções tecnológicas para tornar a construção das usinas de gás natural liquefeito (GNL) mais simples e eficientes, por meio do emprego de RFID e outras tecnologias.

O Projeto Echo testa a implantação de RFID na indústria de petróleo e gás
Durante a visita de executivos de várias empresas de energia e de outros participantes do evento, bem como alguns expositores da RFID in Energy Mining & Construction, vimos um isotainer equipado com um leitor de RFID ativo e um dispositivo GPS. O sistema foi desenvolvido como parte do Projeto Echo e pode ser usado para localizar materiais dentro de um parque estaleiro.

A antena cria um campo de leitura circular com um diâmetro de 200 metros. A ideia é colocar o isotainer em um local remoto dentro de um parque de trabalho e então usá-lo para localizar materiais etiquetados em torno dele. Os usuários podem mover o dispositivo para outro local e identificar objetos etiquetados dentro da nova área, de acordo com as necessidades de mudança de requisitos.

As etiquetas RFID (W-tags da Woodside) implantadas durante os ensaios do Projeto Echo
Alguns tubos, válvulas e outros equipamentos no local foram identificados através de uma etiqueta W-tag introduzida pela Woodside, para que os alunos pudessem testar o equipamento em uma instalação operacional. Também assisti a alguns vídeos realizados pelos alunos. Em um deles, a tecnologia foi utilizada para peças que precisavam ser montadas em sequência. A ideia é acelerar tarefas de montagem complexas, fornecendo orientações para os técnicos.

Havia também vídeos que mostram imagens em 3-D do centro de formação de petróleo e gás. O conceito de Projeto Echo é ligar as etiquetas RFID a peças dentro de uma instalação 3D e então usar a tag em um objeto físico em particular na instalação (ou qualquer outro dado associado).

Prototipo Isotainer RFID, com energia solar, na entrada da conferência RFID for Energy, Mining & Construction
Fiquei positivamente impressionado com a colaboração entre a indústria privada e a academia. Cerca de 15 empresas de alta tecnologia se juntaram ao esforço. A Woodside fornece dados sobre os problemas enfrentados pela indústria para garantir que a pesquisa seja voltada a enfrentar esses problemas. As empresas de tecnologia fornecem as ferramentas para desenvolver novas soluções e os estudantes fornecem os recursos intelectuais e trabalho para desenvolver e testar, aprendendo e se preparando para entrar no campo de trabalho. Todo mundo ganha.

Estou ansioso para ver quais ideias desenvolvidas pelo Projeto Echo se transformarão em soluções reais para a indústria.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal.

  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »