Notas do Editor

Por que acreditar em RFID

Minha convicção de que a tecnologia será adotada amplamente em um futuro próximo se baseia no conhecimento de que pode reduzir o desperdício em muitos setores

Por Mark Roberti

8 de setembro de 2014 - Eu estava em uma reunião social recentemente, quando fui abordado por alguém que conheço há quase 20 anos. "Ainda apostando alto em RFID?", perguntou ele. Eu disse que sim. "Sua fé cega nesta tecnologia é admirável, mas você já considerou a possibilidade de estar errado? Quero dizer, muita gente achou que haveria fusão a frio e carros voadores".

Eu ri. Minha convicção de que a identificação por radiofrequência (RFID) vai beneficiar empresas e indivíduos não se baseia em uma fé cega. Vou explicar por que em nenhum momento eu considerei a possibilidade de estar errado ou, pelo menos, de que possa haver obstáculos tão grandes à adoção que não sejam superados ou, ainda, que uma tecnologia alternativa possa tornar a RFID irrelevante. E eu continuo considerando os mesmos argumentos. Não faço isso por negligência, sendo o chefe de uma empresa cujo único foco é a RFID.

Minha convicção de que a RFID é uma tecnologia extremamente importante se baseia no fato de que existe uma enorme quantidade de desperdícios no mundo e não há qualquer outra tecnologia que possa reduzi-los. Vamos considerar os seguintes fatos:

• Um relatório recente divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos afirmou que 31% (ou 60 milhões de toneladas) das 195 milhões de toneladas de alimentos que estavam disponíveis no varejo norte-americano, em 2010, não foram consumidos. O valor estimado desta perda chega a US$ 161,6 bilhões, com base nos preços de varejo. E as estimativas do Programa de Alimentos das Nações Unidas são de que 50% de toda a comida produzida no mundo nunca são consumidos. Uma grande parte do problema é que o alimento sofre com as ineficiências da cadeia de abastecimento.

• O sumiço de produtos nos Estados Unidos custa aos varejistas US$ 32 bilhões por ano, de acordo com uma pesquisa recente da National Retail Security. Grande parte disto se deve ao furto feito pelos próprios empregados, erros administrativos e fraudes de fornecedores.

• Hospitais perdem cerca de US$ 5 mil por ano em equipamentos de leitos, de acordo com um estudo do McMaster RFID Applications Laboratory. Além disso, enfermeiros gastam cerca de uma hora por semana em busca de equipamentos hospitalares desaparecidos.

• Trinta milhões de bagagens de passageiros são extraviadas a cada ano pelas companhias aéreas, custando US$ 3 bilhões ao setor.

• Sete por cento dos recipientes utilizados para o transporte de peças para montagem de automóveis são substituídos a cada ano, enquanto 36% dos entrevistados de uma pesquisa do Joint Automotive Industry Forum disseram que enfrentaram algum período de inatividade operacional devido à falta de recipientes para peças.