Notas do Editor

Setor de energia abraça RFID

As empresas que produzem, refinam e entregam produtos energéticos estão começando a levar a sério o uso da tecnologia para melhorar suas operações

Por Mark Roberti

13 de agosto de 2014 - Enquanto escrevo esta coluna, nós do RFID Journal estamos fazendo os preparativos finais para o evento RFID in Energy, Mining and Construction e eu estou me preparando para a longa viagem a Perth, na Austrália. O evento de conferência e exposição contará com estudos de caso da Bechtel, Petrobras, Weatherford, Woodside e outras empresas. E será seguido de uma oficina sobre padrões de RFID realizada pelo Global RFID Committee for Oil & Gas.

O evento vai mostrar como os setores de energia e de construção estão começando a levar a sério a adoção de tecnologias de identificação por radiofrequência (RFID). Grandes projetos de construção são tediosamente complexos, com materiais que devem aparecer em um local de trabalho remoto na hora certa. No RFID Journal LIVE! 2014, em abril, a Bechtel foi co-vencedora RFID Journal Award, categoria Best Implementation, pelo projeto que a empresa apresentará no evento.

A Bechtel está usando a tecnologia RFID para rastrear materiais em movimento pela cadeia de fornecedores locais até chegar a Curtis Island, na costa de Queensland, Austrália, onde três plantas de gás natural liquidificado (GNL) estão sendo construídas. Um sistema ativo de RFID tem ajudado a Bechtel a reduzir o tempo dos ciclos, custos e alcançar benefícios transacionais durante atividades de manuseio de materiais.

Os três projetos de GNL são simultâneos, com três proprietários diferentes, e todos os materiais de construção para esses projetos devem ser carregados em balsas que vão de um porto até o seu local de instalação final. O sistema RFID ajudou a empresa a controlar todos os materiais e manter a produção dentro do cronograma. É um projeto enorme que mostra como a RFID pode ajudar as empresas a gerir obras de grande porte.

Este ano, a BP concorreu ao RFID Journal Award por Best Implementation, com um projeto de US$ 10 bilhões em que acompanhou todos os componentes que saem de seus armazéns europeus para a Coreia do Sul, onde está a construção de uma plataforma de petróleo gigante, usando tecnologias RFID e GPS. A BP tem comprado os componentes de fornecedores em todo o mundo, que são enviados para um dos dois centros de consolidação na Europa.

As peças são etiquetadas e então enviadas para o armazém da BP perto do local de fabricação na Coreia do Sul, até que cada parte necessária para a construção chegue. São bilhões de dólares em equipamentos de centenas de fornecedores e a BP queria garantir que tudo fosse entregue no prazo necessário para a Hyundai Heavy Industries (HHI), a empresa de construção da plataforma.

No passado, eu ouvi executivos do setor de petróleo dizerem que a economia de alguns milhões de dólares por ano não valia o esforço da implantação de RFID, não quando uma empresa podia fazer bilhões por trimestre. Mas acho que essa atitude está mudando. Em primeiro lugar, os lucros estão sob alguma pressão. A renda para das cinco grandes produtoras de petróleo caíram 27 por cento no ano passado e, a partir de 2012, os executivos da indústria começaram a entender que a RFID pode ajudar as empresas a gerenciar projetos complexos, melhorar a segurança, gerenciar a inspeção de tubos e outros componentes e até mesmo gerenciar o fechamento de plantas para manutenção.