Notas do Editor

Verdadeiro Momentum

Um aumento de usuários finais interessados em assistir ao RFID Journal LIVE! é mais uma prova de que a adoção de RFID está pegando

Por Mark Roberti

16 de abril de 2014 - O RFID Journal LIVE!, evento anual de conferência e exposição, sempre foi uma espécie de barômetro para a indústria identificação por radiofrequência. No ano passado, vimos um salto na participação em mais de 10 por cento, após vários anos de atendimento permanecendo relativamente estável. Após aquele evento, escrevi: "A partir daqui, o setor continuará ganhando força e espero que no ano que vem haja mais palestrantes com grandes estudos de caso para compartilhar e outro aumento no número de congressistas".

Neste ano, o evento ocorreu na semana passada em Orlando, Flórida, com muitos oradores discutindo implementações para resolver problemas de negócios importantes. Durante a palestra de abertura, Kim Philips e Richard Jenkins, da Marks & Spencer (M&S) disseram que a varejista britânica iria consumir mais do que 400 milhões de tags UHF passivas neste ano em itens de suas lojas. A M&S planeja etiquetar todos os itens não-alimentares em todas as suas praças, em um esforço para aumentar a precisão do inventário e assegurar que os produtos estejam sempre na prateleira quando os clientes quiserem comprá-los.

Edward Koch, da Bechtel, falou em seguida. Ele descreveu um projeto no qual a enorme empresa de construção e engenharia está empregando RFID para rastrear as entregas de duas plantas de gás natural liquefeito a serem construídas em uma ilha no leste da Austrália. O projeto está usando atualmente 60.000 etiquetas RFID ativas, tornando-se uma das maiores implementações de RFID ativas do mundo.

Durante as três outras sessões gerais, ouvimos sobre os principais lançamentos da Airbus, the Veterans Health Administration e o U.S. Department of Defense. Mas não foram apenas as sessões no grande palco que impressionaram. Havia grandes projetos discutidos durante a conferência por trilhas (tracks), incluindo estudos de caso da Daimler, Delta Air Lines, Detroit Diesel, Ingersoll Rand, Rehrig Pacific, Saks Fifth Avenue e Wake Forest Baptist Medical Center. Todos projetos de uma variedade de setores e aplicações.

O grande escopo desses projetos destaca o fato de que a tecnologia RFID está agora madura e que as empresas estão confortáveis para usá-la em aplicações de missão crítica. Também é claro que a percepção entre empresários está mudando, com o ceticismo para a tecnologia em declínio. Falei com dezenas de participantes, nenhum deles questionou se RFID iria funcionar em sua aplicação. Eles sabiam que sim e, simplesmente, queriam saber o que os expositores tinham para oferecer.

Eu previ um aumento no número de participantes no final do ano passado, porque o meu sentimento era de que as percepções de RFID estavam se aproximando da realidade. Durante vários anos, muitas empresas acreditavam que não havia tags para trabalhar em água ou metal ou que a tecnologia era muito cara ou não poderia sobreviver em seus ambientes hostis. A realidade é bem diferente, embora agora as pessoas estejam percebendo isto. Mais pessoas compareceram ao evento para aprender a usar RFID para resolver os seus problemas de negócios.

O atendimento geral aumentou cerca de 5 por cento, para cerca de 2.800 (os números finais de inscrições no local ainda estão sendo reunidos), mas não houve uma mudança significativa na demografia. Havia menos funcionários nas áreas de exposição, talvez devido aos esforços de redução de custos e menos consultores no salão de exposições. Portanto, em geral, o número de empresas que procuram adquirir sistemas RFID subiu mais de 10 por cento.

Algumas tendências perceptíveis :
• Mais varejistas participaram este ano do que em eventos anteriores.
• Houve um salto nos participantes de grandes empresas industriais que já compunham a maior parte do nosso público.
• Havia mais representantes estaduais e locais do governo.
• Houve mais participantes na categoria "outros" (lavanderias, aluguel de equipamentos, segurança e assim por diante), o que indica que a RFID está se espalhando para um número crescente de setores.
• E mais participantes disseram que planejam investir nos próximos 12 meses, uma tendência apoiada pela recente pesquisa do RFID Journal, indicando que o ciclo de compra é cada vez menor.

Então, o que está por vir? As duas tendências que eu descrevi depois do LIVE! 2013 continuarão a ganhar força. As empresas que têm sistemas implantados continuarão a expandir o uso de RFID para novas áreas em que a tecnologia pode agregar valor ao negócio e mais empresas com um problema de negócio vão procurar soluções RFID. Além disso, as tendências da conferência deste ano vão ganhar impulso. Se não houver nenhum choque externo ao setor, tais como uma recessão ou uma guerra, acredito que veremos um novo aumento no comparecimento no próximo ano e no ano seguinte e assim por diante, até que, finalmente, chegaremos ao ponto de inflexão.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal.

  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »