Notas do Editor

Consumidores querem RFID

Com as questões de privacidade abordadas, os consumidores começam a buscar soluções para rastrear objetos, conectar-se com amigos e obter serviços públicos

Por Mark Roberti

9 de setembro de 2013 - Houve um tempo, não muito distante, no qual a identificação por radiofrequência (RFID) foi considerada por muitos consumidores uma tecnologia do mal, adotada por titãs corporativos e agências governamentais para rastrear indivíduos onde quer que fosse, para saber tudo o que fizeram e, claro, o que compraram. Hoje, no entanto, muitos consumidores estão aprendendo os benefícios que a tecnologia pode oferecer.

A antipatia contra a RFID foi impulsionada, em parte, por defensores da privacidade que levantaram alguns pontos legítimos – e outros nem tanto – sobre como a RFID poderia ser utilizada de modo “abusado”, por assim dizer. Algumas iniciativas de mídia de massa, sempre à procura de uma boa história sensacionalista independentemente da verdade, passaram a fabricar preocupações e levaram as pessoas a temer a RFID.

No entanto, os consumidores acordaram para o fato de que vivemos em um mundo em que as câmeras da internet podem mostrar suas vidas pessoais, os dispositivos GPS de baixo custo podem ser usados para rastrear seus movimentos e a U.S. National Security Agency, dos Estados Unidos, captura regularmente informações sobre as suas chamadas de telefone celular e e-mail, podendo até mesmo ler os seus documentos criptografados. Adotando estes assuntos como parâmetros de comparação, a RFID é muito mais benigna.

Ao mesmo tempo, uma variedade de inovações foram incorporadas às tags UHF passivas e sistemas de Near Field Communication (NFC) para proteger os consumidores contra os abusos da tecnologia RFID. Mas não é apenas o fato de os consumidores estarem menos temerosos em relação à RFID que tem tornado a tecnologia mais interessante: eles também estão começando a perceber que a tecnologia pode ser benéfica de inúmeras formas.

A NFC virou uma forma de obter informações e pagar por alguns itens de baixo custo. A tecnologia permite que os usuários de telefones possam compartilhar filmes, fotos e listas de reprodução. Existem hoje sistemas de som com tecnologia NFC, por exemplo, que podem ser emparelhados com smartphones para permitir tocar sua música.