Notas do Editor

Bloomingdale’s atesta resultados da RFID

A empresa de varejo e outros usuários pioneiros comprovam que a tecnologia traz benefícios para os negócios

Por Mark Roberti

14 de maio de 2013 - Pedi a Roger Blazek, VP de controle de estoque da Bloomingdale's, para realizar a palestra de abertura do RFID Journal LIVE! 2013, porque eu sabia que o público se beneficiaria de conhecer a jornada da empresa varejista. Blazek e Pam Sweeney, vice-presidente sênior de sistemas logísticos da Macy's, entenderam desde o início os benefícios potenciais da identificação por radiofrequência (RFID). Então, fizeram uma abordagem comedida de negócios para testar a tecnologia, quantificando os benefícios potenciais e planejaram o lançamento da solução.

Durante seu discurso, Blazek disse que primeiro tinha que convencer a si mesmo de que a tecnologia funcionava. O teste realizado no University of Arkansas – RFID Research Center provou que as tags podem ser lidas dentro de um ambiente controlado. Ele disse a Bill Hardgrave, o chefe da unidade, que ele não tinha certeza de que iria funcionar dentro do ambiente da loja Bloomingdale’s. "Eu quero saber se, quando eu puxar o gatilho, o leitor irá verificar todas mercadorias?", perguntou. "E, se o fizer, vai pegar tudo o que deveria pegar?"

A Bloomingdale’s realizou testes em seis meses de suas lojas, porque Blazek queria ter certeza de que a tecnologia apoiaria processos da loja, antes de apresenta-la para a gerência sênior. "Eu posso dizer que", disse, "houve muitas vezes em que fiquei pensando: isso não vai dar certo. É muito tempo e muito esforço". Porém, ele percebeu que poderia fazer funcionar e que os benefícios seriam enormes. Então, ficou mais confiante e a alta gerência tornou-se também mais confiante na tecnologia.

A Bloomingdale’s realizou o seu primeiro piloto em sua loja do Soho, em Nova York, no outono de 2008. O piloto sugeriu que o RFID pode melhorar a precisão do inventário em 27% e reduzir o tempo de ciclo de contagem em 96%. Os resultados foram documentados pelo Centro de Pesquisas de RFID.

Blazek falou sobre a importância da gestão da mudança. Durante o primeiro piloto, gerentes de loja acreditavam que todos os estilos, cores e tamanhos de itens que estavam sendo monitorados estavam na área de vendas. Os dados do RFID mostraram que algumas das cores e tamanhos de muitas peças estavam apenas no estoque, no quarto dos fundos, onde os clientes não poderiam ver. "Demorou nove semanas para convencer a gerência da loja [do Soho] de que precisava mudar", disse ele. É a realidade no varejo de hoje e cada varejista que implanta RFID vai passar por este processo.

Blazek levou ao público toda a jornada da Bloomingdale’s e explicou os passos que levaram Macy’s e Bloomingdale’s a decidir usar RFID em toda a empresa. Foi uma apresentação fabulosa e vale a pena vê-los em nossa biblioteca de vídeos, mesmo se você não for do setor de varejo (ver Bloomingdale's Journey from RFID Concept to Rollout, Part 1, Part 2 e Part 3). Mas eu acho que a mensagem mais importante que ele deixou foi de que usuários pioneiros fizeram todos os testes e trabalharam com os fornecedores para melhorar a tecnologia onde precisava ser melhorada e a RFID já está pronto para o uso generalizado no varejo.