Notas do Editor

Varejistas mencionam RFID nos relatórios de fim de ano

American Apparel e Sears são duas das empresas que têm deixado seus acionistas saber que estão investindo na identificação por radiofrequência

Por Mark Roberti

12 de março de 2013 - Muitas vezes me perguntam quando a identificação por radiofrequência (RFID) vai decolar e eu respondo assim: "quando as empresas começarem a mencionar em seus resultados financeiros que os lucros foram mais altos devido ao uso desta tecnologia". E quando isso acontece, eu explico, os analistas de Wall Street vão começar a pedir a outros CEOs que estudem o emprego de RFID e, em caso contrário, por que não, se outros CEOs começaram a assinar projetos de RFID.

Nós ainda não chegamos lá, mas podemos estar perto. No seu relatório financeiro sobre o ano fiscal de 2012, a rede de varejo de vestuário American Apparel, escreveu: "(...)Vamos continuar a investir em tecnologia e processos, a fim de continuar a melhorar a eficiência. Até o final de fevereiro, temos implantado a identificação por radiofrequência (RFID) em um total de 213 lojas, trabalho concluída em todos os nossos locais de varejo e manufatura, melhorando nossa previsão de produção, alocação e melhorado nossas capacidades de comércio online da web com a aplicação da plataforma ATG Web, da Oracle. Esperamos mais benefícios destes investimentos em curto prazo".

Além disso, a empresa informou que as despesas de capital durante 2012 subiram para US$ 21,6 milhões, acima dos US$ 11,1 milhões em 2011. "O aumento em 2012 foi devido principalmente a investimentos em nosso novo centro de distribuição em La Mirada, na Califórnia, a implantação de nossa nova plataforma Oracle ATG Web e de sistemas de rastreamento RFID em nossas lojas", relatou a empresa, acrescentando que "esperamos completar substancialmente a implantação de RFID em todas as nossas lojas no início de 2013".

No relatório de fim de ano da Sears Holdings, o presidente da empresa, Edward S. Lampert, escreveu: "Embora investir nestas áreas-chave seja estratégico, vamos olhar também para outras áreas para nos tornar mais eficientes e redirecionar recursos consistentes com a missão que nós esboçamos. Vamos investir nossos recursos onde podemos criar vantagem competitiva e olhar para áreas muito mais abertamente, onde não temos sido capazes de competir de modo eficaz. Vamos também continuar trabalhando em iniciativas “lean” (enxutas) para agilizar os processos operacionais e sistemas e, ao mesmo tempo, continuar a testar e aprender com tecnologias como sinais digitais e de RFID, para que os nossos associados possam gastar menos tempo nos bastidores e mais tempo servindo clientes".

Parece-me que a RFID não é mais um palavrão. É só uma questão de tempo antes de começar a atribuição de melhores resultados a CEOs que investiram em RFID.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal.

  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »