RFID Estudos de Caso

Nova rede de moda brasileira estréia com RFID

Em sua primeira loja, a Memove usa tags costuradas nas roupas para aumentar eficiência logística e melhorar experiência de clientes

Por Claire Swedberg

9 de novembro de 2011 - Três semanas depois de adotar um sistema RFID em sua primeira loja da Memove e também no seu centro de distribuição, a Valdac Global Brands já anunciava que a tecnologia permitiu uma redução brutal do tempo previamente requerido para que seus funcionários realizassem uma contagem de inventário. O prazo em questão caiu de vários dias para algumas horas.

Na loja, localizada no Tamboré Shopping Center, em São Paulo, os benefícios do emprego da identificação por radiofrequência ainda estão para ser medidos. No entanto, a solução RFID se destina a não somente ajudar a empresa a assegurar que os produtos estejam no piso de vendas, mas também permitir que os clientes comprem itens sem pedirem ajuda de um vendedor.


Uma etiqueta com um inlay RFID EPC Gen 2 é costurada em cada peça de roupa na fábrica.


A tecnologia também age como um sistema de Vigilância Eletrônica de Artigos (EAS), disparando um alerta no caso de um item deixar a loja sem ser comprado. O sistema foi projetado e instalado pela empresa brasileira de RFID RFSense, que desenvolveu o software mediador que encaminha os dados para o software da Linx Sistemas residindo no servidor da Memove. Leitores de RFID Impinj foram fornecidos pela Synergy, uma integradora de sistemas brasileira que vende uma vasta gama de produtos, soluções e serviços em RFID.

A Valdac Global Brands planeja abrir lojas dedicadas à sua nova marca de roupas em todo Brasil. A Memove visa a atingir consumidores de moda, entre 18 e 25 anos, com a intenção de ser de ponta no uso de sua tecnologia. Por essa razão, a primeira loja Memove tem telas nas quais clientes podem assistir a clipes de música ou esportes e também fornece iPads para acesso à Internet.