RFID Estudos de Caso

Fábrica brasileira turbina produtividade

A Technicolor Brasil Mídia e Entretenimento implantou RFID para rastrear matérias-primas em sua linha de montagem, provendo visibilidade sobre a movimentação dos produtos e otimizando os processos de gerenciamento de inventário

Por Bob Violino

1 de novembro de 2011 - Assim como muitas empresas ao redor do mundo, a Technicolor Brasil Mídia e Entretenimento sabia que precisaria incrementar seus processos de manufatura para se manter competitiva em meio aos efeitos da crise econômica global. A companhia, que abriu suas operações em Manaus, em maio de 1999, fabrica, comercializa e distribui produtos eletrônicos, como modems digitais assimétricos para assinantes, set-top boxes, roteadores e adaptadores de terminais multimídia (uma combinação de modem a cabo e adaptadores de telefones). Os clientes da empresa são operadores de TV por assinatura, provedores de serviços de banda larga e operadoras de telefonia.

Mas diferente de outros negócios, a Technicolor Brasil teve o suporte de sua empresa-parente para realizar mudanças e adotar novas tecnologias, como a identificação por radiofrequência (RFID). A Technicolor é afiliada à empresa francesa de mesmo nome que cria, gerencia e entrega conteúdo de entretenimento para consumidores de todo o mundo, com tecnologias de imagem e som, assim como efeitos visuais, animações e serviços de pós-produção para cinema, televisão e outras mídias. Uma das metas corporativas da Technicolor é ser uma referência global em inovação e investir em tecnologias que ajudem a atingir e superar as expectativas dos clientes.


"Com a tecnologia RFID, nos conseguimos confiabilidade de informações durante o movimento de materiais pela fábrica, o que torna o inventário sempre atualizado, porque o processo está todo automatizado", disse Batista, da Technicolor Brasil

No fim de 2009, a Technicolor Brasil decidiu melhorar a eficiência com que realizava a gestão de matérias-primas utilizadas para finalizar produtos. Os processos manuais usados anteriormente para rastrear produtos que saíam do estoque para a linha de produção tomavam tempo e geravam erros, porque continham dados incorretos inseridos nos sistemas, como explica Marcelo Batista, engenheiro e gerente de projetos da companhia. A decisão foi focar em rastrear semicondutores, um componente-chave de todos os produtos.

No início de 2011, a Technicolor Brasil implantou sistemas de RFID para aprimorar a gestão de seu inventário e para prover visibilidade sobre a movimentação dos componentes dentro de suas instalações fabris. O sistema permite que os gestores da Technicolor consigam rastrear o posicionamento dos semicondutores e serve de base para os pedidos de componentes em tempo real.