RFID Estudos de Caso

Prêmio RFID Journal 2010: Tecnologia RFID Ajuda a Garantir Aquele Copo de Café Especial

Almacafé, uma subsidiária de armazenagem da Federação Nacional de Cafeicultores da Colômbia, monitora a produção de grãos especiais de café para melhor competir no mercado global.

Por Jennifer Zaino

9 de junho de 2011 - No dia 19 de abril de 2010, o RFID Journal apresentou o quarto Prêmio Anual RFID Journal e devido a realizações marcantes na área da tecnologia de identificação por rádio frequência, o prêmio foi concedido a quatro empresas na RFID Journal LIVE! 2010, a nossa quinta conferência e exposição anual. O vencedor desse ano na categoria Melhor Uso da Tecnologia RFID em um Produto ou Serviço foi a Almacafé.

Mais de 500.000 das pequenas fazendas de café, muitas de propriedade de famílias, que marcam as regiões montanhosas da Colômbia vendem seus grãos para a Federação Nacional de Cafeicultores da Colômbia. A organização sem fins lucrativos é dedicada a melhorar o padrão de vida dos agricultores com programas que minimizam os custos de produção e melhoram a qualidade do café e as vendas. Ela também gerencia a Almacafé, uma subsidiária que cuida dos depósitos, controle de qualidade e logística do café que a Federação vende ao redor do mundo. Ao fornecer mais valor aos clientes da Federação, os representantes da Almacafé dizem que os cafeicultores também se beneficiam.


Uma das iniciativas da Federação é um programa de grãos especiais de café para identificar e disponibilizar no mercado grãos de café de alta qualidade que possuem características excepcionais e/ou com origem em regiões específicas. Cerca de 27 por cento do café colombiano exportado em 2009 eram grãos especiais de café e a Federação é responsável por aproximadamente 43 por cento desse montante. Os clientes pagam até 200 por cento a mais pelos grãos especiais de café e o o que é pago a mais é transferido em sua totalidade para os próprios cafeicultores.

De acordo com o gerente geral da Almacafé, Gonzalo Rivera, os clientes especiais exigem mais serviços devido às despesas extras. Eles esperam, por exemplo, poder "seguir o rastro" até as regiões e condições que produziram um notável saco de grãos de café e ter rápido acesso ao status do pedido. Para competir mais efetivamente no mercado global, a Almacafé implantou um sistema de identificação por rádio frequência em 2007 para monitorar os grãos especiais de café através de sua cadeia de suprimentos interna, das fazendas aos depósitos e durante o processamento e ensacamento para exportação para instalações de torrefação e comercialização.