RFID Estudos de Caso

Empresa de alimentos frescos economiza com RFID

A companhia britânica criou seu próprio sistema para rastrear 60.000 engradados reutilizáveis à medida que são embalados, enviados e devolvidos pelos clientes

Por Claire Swedberg

14 de agosto de 2018 - Quando o distribuidor de alimentos frescos Reynolds Catering Supplies deixou de usar caixas de papelão descartáveis para entregar seus produtos a restaurantes, cafés e hospitais, foi introduzida uma caixa de plástico mais durável, reutilizável e de maior valor. Mas essa transição criou um novo desafio para a empresa, que entrega cerca de 1 milhão de caixas de alimentos em todo o Reino Unido a cada ano: administrar as caixas e garantir que sejam devolvidas.

A empresa decidiu criar uma solução empregando a tecnologia RFID e usou sua própria equipe de TI para criar um software que pudesse ser integrado ao seu próprio sistema de planejamento de recursos empresariais (ERP). Adquiriu leitores RFID fixos da Impinj e trabalhou com Avery Dennison para identificar a tag mais durável e eficiente para suas tarefas.

O resultado é um sistema que identifica automaticamente quando cada caixa é embalada de acordo com um pedido específico, bem como quando é enviada e quando retorna. Com esses dados, a empresa pode agora localizar embalagens atrasadas ou mesmo ausentes e, assim, resolver o problema. Desde que o sistema entrou em operação há um ano, diz Richard Calder, diretor de TI da Reynolds, foram economizadas £ 150.000 (ou perto de US$ 200.000) em reposição de caixas. "Estamos confiantes de que a economia anual será superior a £ 350.000, quando todas as embalagens forem substituídas pelas de plástico", diz. Além disso, a tecnologia será usada no futuro para rastrear pedidos.

A Reynolds é uma das principais fornecedoras de produtos frescos e lácteos para serviços alimentícios do Reino Unido. A empresa começou a investigar a RFID depois que seus clientes solicitaram um contêiner não descartável para entregas de alimentos. As caixas de papelão exigiam que restaurantes ou outros fornecedores de refeições descartassem os contêineres, o que era uma despesa adicional. Reynolds respondeu ao pedido com a caixa de plástico, que custa menos de 5 libras (6,66 dólares) cada. Os motoristas da Reynolds entregam os produtos nas caixas e depois pegam os contêineres vazios de volta nas entregas seguintes.

As novas embalagens foram lançadas com alguns dos maiores clientes da Reynolds - principalmente cadeias de restaurantes - e foram expandidas para outros clientes ao longo dos meses seguintes. Um problema surgiu, no entanto, porque nem todas voltavam ao centro de distribuição da Reynolds, localizado na cidade de Waltham Cross.

"Com o tempo", diz Calder, "a perda cresceu e descobrimos que havia um buraco negro onde as caixas sumiam". O problema não era isolado na Reynolds, observa, já que muitas outras empresas do setor de entrega de alimentos expressaram o mesmo problema ao gerenciar recipientes reutilizáveis.