RFID Estudos de Caso

Blue Bird rastreia ônibus no processo de fabricação

Para se tornar mais eficiente, a empresa considerou várias soluções baseadas em tecnologia. Analisou as ofertas de nove fornecedores, cada um com uma solução exclusiva, incluindo RFID ativo (operando em várias frequências), ZigBee, rastreamento de frota por GPS e soluções portáteis baseadas em rádio. Um dos requisitos da Blue Bird, no entanto, era que o sistema precisaria ser fácil de implantar, e teria etiquetas reutilizáveis que poderiam ser removidas de um ônibus quando ele saísse do pátio, e então ser anexada a um novo veículo.

"Os ônibus são feitos de aço e a transmissão de sinais de RF pode ser um desafio na presença de todo esse metal", diz Walker. "Outra preocupação era obter energia para o sistema, já que alguns ônibus podem ser localizados em seções do pátio que são consideradas áreas remotas, onde os leitores ou gateways de cabeamento podem ser inviáveis e caros".

Um ônibus etiquetado com antenna receptora e de Wi-Fi para comunicar-se com leitores a energia solar
De acordo com Walker, a empresa escolheu a solução GuardRFID porque as etiquetas magnéticas poderiam ser facilmente conectadas aos ônibus. As tags transmitem sinal pelo pára-brisa e janelas do ônibus. Os leitores, em alguns locais, poderiam ser alimentados por energia solar quando necessário. O sistema foi lançado em julho de 2017, após um mês de testes.

A solução da GuardRFID consiste de 14 leitores com fio e cinco SPTRs (Solar Powered Tag Readers) quando a execução do cabo não é viável. Dos leitores com fio, 12 incluem Ethernet e conexões de energia, enquanto dois têm apenas cabos elétricos e usam a infraestrutura Wi-Fi do pátio. Os cinco SPTRs utilizam a rede Wi-Fi, fornecida pelo GuardRFID. O software para gerenciar os dados de leitura coletados inclui o software Argus da GuardRFID, hospedado em um servidor local, bem como a plataforma de software AllGuard voltada ao usuário para exibir dados de localização dos funcionários da Blue Bird.

Uma etiqueta RFID é aplicada ao interior perto do pára-brisa e um trabalhador usa o software AllGuard para inserir o número de identificação da tag e, em seguida, vincula essas informações ao número do veículo, ao modelo do corpo e a quaisquer recursos exclusivos que tornem o ônibus mais fácil de encontrar. Essas informações são exibidas no aplicativo por meio de telefones ou tablets de funcionários, informando o ônibus que estão procurando.