RFID Estudos de Caso

Blue Bird rastreia ônibus no processo de fabricação

A fabricante instalou um sistema RFID ativo que localiza os veículos enquanto em montagem, acabamento e, depois, quando saem das instalações para venda

Por Claire Swedberg

2 de abril de 2018 - A fabricante de ônibus Blue Bird Corp. implantou uma solução baseada em RFID ativa que ajuda a gerenciar o status e a localização de ônibus que estão sendo produzidos, nos processos de acabamento e após a montagem, quando transportados para revendedores. "Com essa tecnologia", diz Matt Walker, especialista em engenharia de fabricação da Blue Bird, "conseguimos reduzir o tempo que os funcionários gastam procurando ônibus, e podemos garantir que os veículos sejam processados em tempo hábil".

O sistema consiste em tags RFID ativas de 433 MHz e uma rede de leitores, bem como software para gerenciar os dados coletados pelo leitor, fornecidos pela GuardRFID. Além de rastrear os locais dos ônibus em toda instalação, a empresa pode identificar a localização exata de um determinado veículo usando um carrinho de golfe com RFID que os operadores dirigem pelo pátio.

Leitor a energia solar
A Blue Bird fabrica ônibus escolares, bem como ônibus de segurança e ambulância vendidos na América do Norte e no mundo. Cada ônibus é construído sob encomenda, atendendo às necessidades de cada cliente, como um distrito escolar.

Isso torna o ambiente de fabricação complexo. Em um esforço para aproveitar ao máximo suas linhas de montagem, equipamentos e funcionários, a Blue Bird programou um mix de produtos. Por exemplo, a empresa de ônibus às vezes tem um pedido em andamento que pode ser entregue depois de vários meses, enquanto, ao mesmo tempo, outro pedido que precisa ser entregue dentro de dias.

Os ônibus passam por uma série de processos de acabamento em vários edifícios - incluindo alinhamento de front end, ar condicionado, testes de água e rodovias, inspeções pré-entrega e certificação - antes de serem colocados em uma plataforma para entrega. Anteriormente, quando os ônibus individuais precisavam ser movidos para o próximo processo, os funcionários precisavam procurar fisicamente os veículos em questão. "Não era tarefa fácil", diz Walker. "Muitos dos ônibus parecem bastante semelhantes. Na verdade, dedicamos uma posição de trabalho inteira simplesmente para um indivíduo usar o papel e seu cérebro para rastrear os cerca de 500 ônibus no pátio a qualquer momento".