RFID Estudos de Caso

Empresa rastreia cabos subterrâneos na metade do tempo

A Tata Power Delhi Distribution Ltd. reduziu ao meio o período de manutenção das suas redes de eletricidade, graças ao uso de tags RFID

Por Claire Swedberg

8 de março de 2018 - A empresa de energia indiana Tata Power Delhi Distribution Ltd. (TPDDL) está usando com sucesso um sistema RFID com GPS, para obter visibilidade sobre cabos subterrâneos quando os trabalhadores procuram por falhas. A tecnologia, que consiste em etiquetas de RFID UHF conectadas às conexões e leitores de mão, tem sido implantada em 1.200 linhas de transmissão, a partir de 2015.

Quando o sistema foi instalado, a empresa diz que não só economizou o tempo dos trabalhadores de manutenção, mas também assegurou que quaisquer falhas fossem localizadas e corrigidas rapidamente. Na verdade, diz Sunil Singh, chefe de operações e oficial de segurança da TPDDL, com a tecnologia, foi reduzido pela metade o tempo médio necessário para localizar um cabo, ou seja, de 90 minutos para 45 minutos.

Sunil Singh
A TPDDL, uma joint venture entre a estatal National Capital Territory de Delhi e a Tata Power Co., atende 1,8 milhões de pessoas nas partes norte e nordeste de Delhi em uma área medindo 510 quilômetros quadrados. A joint venture tem operações subterrâneas de 3.100 quilômetros com cabos de 66, 33 e 11 kilovolts, chegando a aproximadamente 15.000 rotas de cabos no total. Gerenciar todo este mundo debaixo da terra exige manutenções de rotina, explica Singh, e ocasionalmente em situações de emergência.

Prevenção de falhas é, no entanto, um dos principais objetivos da TPDDL. Sempre que houver um problema na entrega de energia causado por danos em ativos, diz a empresa, os resultados podem ser a insatisfação do cliente e uma perda de receita devido à queda de energia, bem como altas despesas para reparos e substituições.

Os cabos subterrâneos de polietileno reticulado (XLPE) são equipamentos que não exigem manutenção, diz Singh. "Ainda assim, realizamos análise da rede subterrânea para monitorar e diagnosticar a saúde dos cabos", afirma. Em caso de problema, o ponto de falha é localizado usando sensores e "equipamentos de localização de falhas" no local. O solo é então escavado para identificar o problema e as junções são refeitas com cabos de restauração.

O trabalho é mais desafiador em um ambiente urbano denso em termos populacionais. É necessária uma permissão de acesso direto (ROW) para escavações, diz Singh. Além disso, afirma: "reparar e colocar novos cabos são realmente atividades difíceis e demoradas". À medida que os cabos envelhecem, há maiores índices de falha e exigem-se mais esforços de manutenção. "A localização da falha no cabo subterrâneo é um trabalho tedioso que requer alta habilidade e quantidade considerável de tempo, devido a rotas de cabos não identificadas, especialmente de cabos mais antigos".