RFID Estudos de Caso

Vancouver facilita trânsito para desabilitados

Com a solução implantada, os passageiros com deficiência devem primeiro adquirir um cartão RFID. Para fazer isso, um passageiro deve preencher um pedido especial e fazer contato com a agência para assegurar que a solução funcionará no seu caso. O indivíduo receberá então o cartão Compass RFID UHF de longo alcance. Os usuários são treinados no uso adequado do cartão - por exemplo, aprendendo a usá-lo em um cordão ou carregado de modo a ser facilmente interrogá-lo. Colocar o cartão no bolso traseiro, por exemplo, dificulta a leitura.

Ao chegar na estação, um passageiro pode simplesmente se aproximar do portão. A antena acima do portão captura o número de identificação exclusivo codificado no cartão desse indivíduo em uma faixa de 2 ou 3 metros, e o software incorporado no sistema do portão confirma a ID e solicita que o portão seja aberto. Para usuários, diz Krys, o sistema é em grande parte invisível. "Eles só veriam duas antenas - dois pequenos quadrados brancos, acima do portão", afirma.

O sistema RFID não exige o uso das mãos para liberar a abertura dos portões

Ashish Sachdeva, da Hyperlight
Como parte da solução, a divisão de tecnologia da TransLink desenvolveu uma plataforma de mensagens para aceitar a mensagem RFID e enviá-la para os portões da tarifa. Eles também estão desenvolvendo o software necessário para usar a RFID para identificar o preço de cada viagem de passageiros e cobrar aos clientes as mesmas tarifas que seriam cobradas usando o sistema do cartão.

A solução custou à autoridade de trânsito US$ 9 milhões, e está sendo financiada em parte através do Fundo de Infraestrutura de Trânsito Público, com US$ 740 milhões do governo federal. "Isto é tudo sobre capacitar os indivíduos e garantir que tornemos nosso sistema tão acessível quanto possível", diz Kevin Desmond, CEO da TransLink.

Dada a sua escalabilidade, diz Sachdeva, o sistema pode ser facilmente instalado em barreiras ou portões de acessibilidade em outras cidades da América do Norte. "Estamos ansiosos para começar a trabalhar com outras cidades", afirma.