RFID Estudos de Caso

Escolas dos EUA adotam solução para emergências

Um sistema baseado em beacons fornece informações de localização em tempo real ao toque de um botão em um smartphone

Por Michael Belfiore

30 de outubro de 2015 - Os acontecimentos de 14 dezembro de 2012, quando um homem armado invadiu a Sandy Hook Elementary School, nos Estados Unidos (EUA), e matou 26 adultos e crianças, permanece indelével nas mentes dos educadores e pais em todos os lugares. Como resultado, os funcionários de escolas públicas em todo o país estão fazendo a pergunta: o que podemos fazer se isto acontecer aqui?

Antes de iniciar o ano letivo de 2015/2016, neste segundo semestre, os superintendentes dos cinco distritos escolares do estado do Maine, responderam a esta pergunta, equipando as escolas de vários distritos com uma solução de emergência da Punch Alert. O sistema permite que professores e funcionários da escola enviem pedidos de socorro com um toque de botão em um aplicativo de smartphone. Graças aos beacons Bluetooth Low Energy (BLE) instalados nas escolas, o sistema pode também comunicar a localização de um intruso. Os beacons são tags ativas que funcionam com baterias, na tecnologia Bluetooth.

O app transforma um smartphone iOS ou Android em um alarme de pânico móvel: o modo off-line permite que os usuários relatem situações de emergência, mesmo quando não têm acesso a Wi-Fi ou a uma conexão de dados
A Punch Alert trará os primeiros recursos à cena de uma emergência mais rápido e com mais informações, diz Shane Cote, vice-chefe do departamento de polícia de Farmington, Maine, que liderou o esforço para instalar o novo sistema. E isso, diz ele, vai salvar vidas durante uma emergência.

Shane Cote
Em dezembro de 2014, Cote participou de uma conferência sobre segurança escolar em Tucson, Arizona, onde aprendeu que não faltam ideias baseadas em tecnologia para responder a situações de emergência. De volta para casa, fez algumas recomendações aos superintendentes de escola do Condado de Franklin, mas todas as soluções de tecnologia eram demasiadamente caras para os orçamentos das escolas.

Então, na conferência Maine Chiefs of Police Association, em fevereiro de 2015, Cote conheceu uma empresa que fornece serviços de comunicações de emergência para escolas. Ele marcou uma reunião com o vendedor e Tom Ward, superintendente da unidade escolar de Franklin, uma das cinco escolas da região. Ward foi receptivo à ideia de usar a tecnologia de notificação, desde que tivesse o dinheiro.