RFID Estudos de Caso

Grupo francês rastreia plasma sanguíneo

A solução RFID melhorou os processos de controle e de produção dos derivados de sangue da empresa biofarmacêutica LFB

Por Bob Violino

3 de setembro de 2015 - A LFB é um grupo biofarmacêutico francês que desenvolve, fabrica e comercializa medicamentos biológicos. Estes medicamentos, que são comercializados em mais de 40 países, são usados sob prescrição hospitalar para tratar doenças graves e muitas vezes raras.

A divisão LFB Biomédicaments é a sexta maior do mundo no campo dos medicamentos derivados de plasma sanguíneo. A fábrica da LFB em Les Ulis, França, recebe plasma da Agência de Sangue Francesa (Etablissement Français du Sang, or EFS) para fracionamento, um processo que separa os vários componentes da substância, permitindo assim o fabrico de medicamentos. A EFS recolhe cerca de 10.000 doações de sangue diárias e é responsável pela segurança da cadeia de transfusão sanguínea.

A Agência Francesa de Sangue codifica os dados em uma tag para identificar o saco de plasma
A LFB estava usando códigos de barras para rastrear e identificar sacos de plasma. Este processo manual tinha falhas, diz p médico Patrick Bergeat, vice-diretor geral da LFB Biomédicaments. Diferentes empresas fornecem os sacos de plasma, que variam em forma e tamanho. Além disso, o tamanho de um rótulo, localização no saco e qualidade de impressão de códigos de barras também variam. Isto tornava difícil para os técnicos fazerem a varredura manual dos sacos, o que levava a falhas na leitura dos códigos de barras com precisão.

Em 2008, a LFB decidiu que precisava melhorar a maneira de rastrear as bolsas de plasma. A empresa trabalhou com o fornecedor de solução francês Biolog-id para desenvolver um sistema RFID e automatizar o processo. Na sequência do projeto-piloto, as empresas receberam aprovação, em 2012, da French National Agency for Medicines and Health Products Safety para empregar RFID e rastrear produtos de sangue.

Duas filiais regionais da EFS começaram a usar a nova tecnologia em 2013 e, em seguida, duas outras por trimestre foram adicionadas em 2014. Em abril de 2015, a LFB, EFS e Biolog-id introduziram em conjunto a solução de rastreabilidade RFID em todos as 14 filiais regionais. Todos os sacos contendo plasma são etiquetados com RFID e rastreados na fábrica da LFB, em Les Ulis, pelo processo de fracionamento.