RFID Estudos de Caso

Empresa melhora gestão de inventário e segurança

A companhia de logística Progistix implantou um sistema RFID para localização de ativos em tempo real (RTLS) para rastrear grandes bobinas de cobre

Por Bob Violino

7 de julho de 2015 - A Progistix, uma empresa da SCI, presta serviços de logística a terceiros no Canadá, como empresas que exigem gerenciamento end-to-end do ciclo de vida de produtos. A empresa administra um estaleiro de 37.000 metros quadrados em Toronto, que serve como hub principal para o armazenamento e distribuição de cabos de cobre e outros ativos para provedores de redes de comunicações em Ontário e Quebec. Cada bobina de cabo pesa até seis toneladas e cada tipo tem suas próprias características únicas, que os tornam adequados para um determinado tipo de uso em rede. O pátio contém 116 tipos diferentes de cabos de cobre e pode armazenar até 3.000 bobinas.

A Progistix gerenciava o espaço com um sistema baseado em papel. Mas na ocasião, as bobinas eram devolvidas para locais errados ou eram dadas como desaparecidas, por várias razões. "Não era fácil o rastreamento do movimento das bobinas", afirma Yvan Bourbonnais, gerente geral da Progistix.

A Progistix usa um sistema RFID de localização em tempo real para gerenciar bobinas de cabo de comunicação de cobre em seu armazém em Toronto
Quando chega, uma bobina recebe um local para ser armazenada e uma etiqueta de papel afixada na bobina identifica esse espaço. Cada bobina é colocada numa fila e identificada numa grelha. Quando a empresa recebe uma encomenda de um certo tipo de cabo, supervisores identificam manualmente a posição física do carretel em uma grade impressa e, em seguida, trabalhadores usam uma empilhadeira para recuperar o carretel. Depois que um pedaço de cabo é cortado da bobina para atender o pedido de um cliente, um novo local deve ser atribuído a este carretel, com uma nova etiqueta de papel.

"No caso de uma bobina não ser localizada, o supervisor imprime uma etiqueta que contenha informação pertinente, incluindo última localização, número do carretel, tamanho e tipo de cabo", diz Bourbonnais. "Esta é então usada para realizar um controle físico completo de todas as bobinas no armazém".

A segurança também é um problema. O cobre é altamente atraente no mercado, explica Bourbonnais, e a Progistix teve de se proteger contra roubo e garantir a remoção de cabos de cobre a partir do estaleiro. O furto do produto foi um problema para a empresa, diz ele.