RFID Estudos de Caso

Cidade acelera reparos de pavimentação

Dayton, nos Estados Unidos, está monitorando o asfalto das ruas para identificar empresas de serviços públicos responsáveis pelos consertos

Por Michael Belfiore

3 de julho de 2014 - A cidade de Dayton, em Ohio, nos Estados Unidos, obriga as empresas de serviços públicos, como fornecedoras de energia, água, esgoto e telecomunicações, que fazem buracos em ruas, avenidas e estradas para inserir cabos e tubos subterrâneos, que restaurem o pavimento após realizar os trabalhos. Se o reparo for feito às pressas e não ficar dentro dos padrões de qualidade exigidos, o remendo de asfalto poderá se deteriorar. Se nada for feito, um buraco pode surgir no local, contribuindo para o desgaste dos veículos e também aumentando riscos de acidentes.

Um problema deste tipo pode não aparecer durante semanas, meses ou anos após o corte e repavimentação de uma rua. Quando alguém reclama de um buraco ou reparo mal feito, é Shane Ward, inspetor encarregado de estradas de Dayton, quem descobre qual das empresas realizou reparos na rua em questão. Em média, há de 70 a 100 denúncias anualmente.

Tag RFID com fio, da William Frick, espera a cobertura de asfalto em uma rua em Dayton, Ohio (Foto: cortesia da cidade de Dayton)
Até recentemente, quando uma reclamação sobre um buraco chega, Ward tem de largar tudo o que está fazendo, voltas para seu escritório no quinto andar (se ele já não estava lá), conectar um PC desktop e procurar o número de autorização, associado a uma das empresas concessionárias de serviços. O processo pode levar horas e nem sempre dava resultados. As licenças concedidas por Dayton no passado geravam um banco de dados eletrônico com base em arquivos de papel, que representam transtornos. Se ele não consegue encontrar uma licença, os trabalhadores da Ohio Utility Protection Services têm de visitar o local em questão e marcar todos os serviços públicos dentro da área. Às vezes, diz Ward, as empresas de serviços se negam que tenham feito aquele buraco na rua. "Era uma tarefa monumental, no mínimo", afirma.

Em março de 2013, Dayton implantou uma solução de RFID, que monitora os buracos de rua, para identificar com rapidez e precisão a empresa concessionária responsável pelo reparo. "Agora, por meio do programa de RFID, realiza-se a operação em poucos minutos – não mais em horas", relata Ward. A solução RFID reduz o tempo e os custos envolvidos na investigação de um problema. Além disso, cortes de rua perigosos podem ser fixados mais rapidamente, melhorando desse modo a segurança do público.