RFID Estudos de Caso

Lar para vida assistida de idosos melhora em segurança

O Light of Hearts Villa, dos EUA, implantou um sistema de localização em tempo real para identificar moradores que necessitam de auxílio

Por Bob Violino

24 de março de 2014 - O Light of Hearts Villa, instalação para vida assistida localizada em Ohio, nos Estados Unidos (EUA), oferece ambiente residencial para mais de 400 idosos. A instalação é co-patrocinada pelas instituições Sisters of Charity of Cincinnati e Sisters of Charity Health System. Uma de suas principais prioridades é garantir a segurança permanente aos residentes idosos.

Desde que abriu em 1989, os moradores que precisam de ajuda usam cordas para puxar alarmes instalados em áreas de estar e casas de banho, além de telefone fixo ou móvel, para pedir ajuda. "No entanto, em muitos casos, era difícil para os moradores chegar a esses locais, especialmente se tinham caído e estavam imóveis, diz Elizabeth Hickle, diretora-executiva da instalação. "Quando um fio é acionado, ele dispara um alarme muito alto em toda a instalação, o que pode perturbar outros moradores". O alarme sonoro e uma luz piscam do lado de fora do apartamento.

Light of Hearts Villa
Assim, os gestores da Light of Hearts Villa passaram a procurar um método mais adequado de identificação de moradores que necessitam de serviços. Em 2013, a unidade implantou um sistema de localização em tempo real (RTLS) da Stanley Healthcare, fornecedora de produtos de segurança para o setor de saúde. A solução permite que os moradores peçam ajuda a partir de qualquer localização dentro do edifício de vários andares, diz Hickle, ou dos jardins.

Os gestores da instalação sabiam que precisavam atualizar o sistema de comunicação existente com a enfermagem, diz Hickle. Em maio de 2012, começaram a trabalhar em estreita colaboração com o departamento de TI para determinar a melhor forma de atualizar a infraestrutura de comunicações. Juntos, selecionaram uma empresa local chamada Zenith Systems para instalar roteadores Wi-Fi em todo o estabelecimento.

Cada residente usa uma tag wireless AeroScout para pedir ajuda em qualquer lugar do estabelecimento em caso de necessidade
Após a atualização da rede em meados de 2012, foram necessários mais seis meses para a a administração do estabelecimento concluir a procura por uma empresa que pudesse fornecer um sistema de emergência sem fio. Os gerentes tinham vários critérios para a seleção, diz Hickle. Em primeiro lugar, queriam aumentar a segurança dos moradores, tanto dentro como fora de seus apartamentos e reduzir o número de alarmes sonoros. Outra exigência era alavancar o novo investimento no Wi-Fi em todo o estabelecimento. Finalmente, a organização buscou coletar dados sobre os tempos de resposta e os padrões de chamadas para melhorar ainda mais o seu desempenho e atendimento. "Quando um morador puxava o cabo de emergência, era impossível determinar o tempo de resposta dos funcionários", explica Hickle.

"Nessa situação, você deixa impressões ruins para as pessoas", como moradores reclamando que uma enfermeira levou muito tempo para responder, diz Steve Elder, gerente sênior de marketing da Stanley Healthcare.