RFID Estudos de Caso

Manutenção de turbinas da Rolls-Royce avança em qualidade

A empresa rastreia ferramentas críticas com RFID, para garantir que não sejam esquecidas dentro de motores de jatos

Por Samuel Greengard

28 de janeiro de 2014 - Realizar manutenção e reparos em motores de avião a jato são tarefas extremamente complexas e críticas. Os mecânicos devem lidar com centenas de peças e usar equipamentos e ferramentas bastante sofisticados dentro dos motores durante a execução dos serviços.

A Rolls-Royce Canadá tem uma instalação de 500.000 metros quadrados, onde faz a manutenção e os reparos nos motores a jato civis e militares que fabrica. Uma ferramenta chave usada durante a manutenção é um retentor de parafusos, que serve para o mecânico desmontar e remontar um motor, commmedidas de cerca de 18 centímetros de diâmetro. O dispositivo tem 10 componentes ligados a um conjunto para criar um único anel de Teflon; cada ferramenta inclui sete anéis individuais que são separados na manutenção. Se um parafuso de retenção for deixado dentro de um motor, pode causar grandes danos.

O sistema alerta montadores e gestores, se uma ferramenta não for devolvida no armário após os serviços

"Não é uma peça que tenha uma função dentro do motor", diz Wassim Shirry, engenheiro de design da Rolls-Royce no Canadá. "É uma ferramenta de manutenção que pode ser facilmente esquecida, porque fica fora do alcance da vista e não é usada ativamente enquanto a manutenção está ocorrendo. "No passado, embora a empresa fornecesse aos trabalhadores da manutenção uma lista de verificação dos processos, não havia nenhuma maneira de garantir que a ferramenta tinha sido removida.

Na verdade, Shirry admite que ocasionalmente a ferramenta foi deixada dentro de motores depois de completar o trabalho. A supervisão detectava o erro, no entanto, durante a fase de testes do motor. Mas, se a ferramenta não fosse detectada, poderia derreter quando o motor aquecesse, obrigando a equipe a refazer a manutenção dos componentes internos do motor.

Mais preocupante seria um cenário com consequências terríveis. "Havia uma pequena chance de um motor ter passado por testes com o dispositivo em seu interior, sem ser detectado, e o motor ser entregue ao cliente", explica Shirry. "Se um avião voa com o retentor do parafuso dentro do motor, pode falhar".