RFID Estudos de Caso

Oilfield Services Company incorpora RFID em perfurações

O sistema RipTide, da Weatherford, dá aos operadores mais controle e melhoria de processos, além de economizar tempo e dinheiro

Por Samuel Greengard

26 de agosto de 2013 - Os alargadores de perfuração são ferramentas especiais usadas por empresas de petróleo e gás para perfurar a terra a velocidades extremamente altas. Os alargadores convencionais oferecem um serviço confiável, mas o método mecânico de ativar e desativar a ferramenta, deixando cair uma bola de aço em uma coluna de perfuração ou tubo, oferece controle limitado. Para repor a ferramenta, o operador tem de puxar o alargador para fora do furo, o que consome tempo e dinheiro. Além do mais, a bola pode interferir com outras ferramentas que operam no interior da coluna de perfuração.

Em 2010, a Weatherford , uma empresa multinacional de serviços de campo petrolífero com sede na Suíça, apresentou seu alargador de perfuração RipTide, que fornece um método simples e confiável de ativação e desativação de alargadores de perfuração, em qualquer momento durante uma operação de perfuração. A Weatherford criou esta funcionalidade através da tecnologia de identificação por radiofrequência diretamente no projeto da ferramenta. O maior controle da ferramenta permite que os operadores melhorem os processos de perfuração e manutenção e a qualidade do furo, diz Eddie Valverde, gerente de linha de produtos de alargamento da empresa.

Maior controle sobre a operação da ferramenta permite melhorar processos de perfuração e manutenção e a qualidade do poço
A Weatherford usou o RipTide em mais de 60 projetos até o momento, diz Valverde, e alcançou 100% de confiabilidade. A empresa, que gerencia as operações de perfuração e manutenção de várias grandes empresas de petróleo e gás, diz que seus clientes relatam que o RipTide economiza entre dois e seis dias de perfuração. Isso se traduz em uma redução de gastos entre US$ 900 mil e US$ 2,7 milhões.

A Weatherford utiliza RFID para rastrear os estoques e ativos da cadeia de suprimentos, afirma Valverde, e as ferramentas de fundo de poço e de perfuração.

Em 2006, a Marathon Oil começou a explorar o uso de RFID para melhorar as operações de perfuração. No início de 2008, a empresa se aproximou da Weatherford e demonstrou a tecnologia. "Eles perguntaram se faríamos uma parceria para desenvolver a tecnologia e construir um sistema comercial viável", lembra Valverde.