RFID Estudos de Caso

Datacenter brasileiro reduz custos e perdas graças à RFID

A Alog, com 1.400 clientes corporativos, reduziu 80% dos desvios de equipamentos, 98% do tempo para completar o inventário e 100% para atualizar repositório

Por Edson Perin

14 de junho de 2013 - Entre os grandes desafios de um datacenter está a sua capacidade de manter o controle sobre 100% dos seus ativos: servidores, componentes, racks, cabos, conectores etc. Uma empresa deste segmento que conseguiu grandes resultados, transpondo esta grande barreira no controle de ativos, foi a Alog Datacenters, uma "carrier neutral", ou seja, que se conecta a qualquer operadora de telefonia para atender as necessidades de seus mais de 1.400 clientes corporativos e com bases nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Tamboré. Para conquistar os resultados a Alog adotou a solução de identificação por radiofrequência (RFID) da fornecedora RFIDeas.

Os benefícios foram surpreendentes para a companhia, como costumam ser quando se implanta a tecnologia RFID. Entre os benefícios tangíveis, a Alog conseguiu reduzir o tempo médio para completar o inventário de 45 minutos por rack de servidores, sem RFID, para 1 minuto, com RFID: uma economia de 98% no prazo médio da operação. No tempo médio para atualização do repositório, a queda foi brutal. A operação sem RFID levava 20 minutos por rack, sem RFID, e agora passou a ser instantânea, em tempo real. Ou seja, uma queda de 100% no tempo necessário para concluir o processo.

No que se refere ao desaparecimento, furto ou perda de equipamentos, o índice caiu de 0,25% ao ano, sem RFID, para 0,05% ao ano, com RFID. Ou seja, uma redução de 80%. E, ainda, o tempo médio para encontrar um ativo dentro do datacenter foi diminuído de 45 minutos por ativo para 5 minutos, uma economia de tempo de 89%.