RFID Estudos de Caso

RFID reduz desperdício na Delta Air Lines

A empresa está utilizando a tecnologia para melhorar a gestão dos geradores de oxigênio existentes dentro das aeronaves

Por Claire Swedberg

16 de maio de 2013 - A Delta Air Lines está empregando tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) para melhorar a visibilidade dos geradores de oxigênio instalados dentro de suas aeronaves e, assim, reduzir o desperdício associado com o descarte e o tempo necessário para verificar as datas de expiração dos dispositivos. Cada gerador tem um período limitado de vida a 12 ou 15 anos, parte dos quais poderiam ser perdidos se os produtos ficassem em uma prateleira de estoque. Antes da adoção do sistema de RFID, a Delta estima que 15% do tempo de vida de seus geradores era desperdiçado.

Além disso, quando os dispositivos são instalados na aeronave, requerem inspeções regulares para assegurar que não se aproximam da expiração da data de validade. Isto exige muito trabalho por parte dos funcionários designados para essa tarefa. Antes da adoção do sistema de RFID, os painéis tinham de ser abertos para as verificações de data do gerador de oxigênio, durante visitas de aviões à manutenção. Isto fazia com que muitos geradores fossem descartados antes de atingir o seu prazo de validade, prejudicando a previsibilidade de troca dos equipamentos.

A Delta já utiliza RFID em geradores de oxigênio de 100 aviões

Rick Lewis, um dos analistas de negócios da Delta, passou cerca de um ano pesquisando soluções e outro ano desenvolvendo com fornecedores de soluções selecionados. Ao realizar sua pesquisa, Lewis não só examinou a tecnologia utilizada, mas também se reuniu com a manutenção, TI, engenharia e outros departamentos dentro da Delta, para determinar o tipo de funcionalidade exigida. Ele falou sobre suas experiências durante uma sessão extra no RFID Journal LIVE! 2013, realizado em Orlando, na Flórida.

De acordo com Lewis, a compra desses itens com base no saldo de estoque médio mensal não reflete a demanda real de visitas programadas à manutenção. A empresa procurou saber quando os geradores estavam perto de expirar, a fim de que eles não fossem removidos e descartados prematuramente e também para reduzir a incidência de pedidos extras que resultassem em problemas com o número de geradores necessários para serem mantidos em estoque.

Em 2011, a empresa lançou um ensaio usando o software chamado RFID AeroCheck, projetado pela TechnologySolutions e fornecido pela Aerospace Software Developments (ASD) Ltd. Etiquetas RFID EPC Gen 2 UHF da William Frick and Co. foram desenhadas de modo customizado para serem anexadas aos geradores de oxigênio de 10 aeronaves Boeing 757. A Delta havia determinado que o processo para verificar as datas de vencimento dos geradores de oxigênio durava cerca de oito horas-homem, para ler fisicamente a data de fabricação impressa nos dispositivos e, em seguida, calcular a data de validade de cada um. Com um leitor portátil Motorola MC9090G com o software RFID AeroCheck, a tag de cada gerador pode ser lida com um gasto de tempo de apenas dois minutos, afirmou Lewis no LIVE! 2013.