RFID Artigos

Sem conhecimento, sem RFID

Ter conhecimento técnico é fundamental para atingir o sucesso em uma implantação de sistema RFID e colher os resultados da tecnologia

Por Renata Rampim de Freitas Dias

22 de agosto de 2012 - Como os sistemas RFID (identificação por radiofrequência) utilizam ondas de rádio para trocar informações entre as etiquetas (tags) e os leitores (também chamados de interrogadores), a zona de interrogação, ou seja, a área onde ocorre a troca de informações, tem características que diferem de ambiente para ambiente. Em outras palavras, o comportamento das ondas de rádio varia de acordo com as condições ambientais ou dos objetos presentes; sendo assim, estas variantes também afetam o desempenho dos sistemas RFID.

Nos sistemas de identificação por radiofrequência, as ondas de rádio se propagam da etiqueta para o leitor ou vice-versa. Durante esta propagação, as ondas encontram materiais diferentes, interferências, e podem ser absorvidas ou até mesmo bloqueadas por vários objetos em seu caminho. Desta maneira, de acordo com os requisitos do meio, os desafios mudam de uma aplicação para outra. Por isso, entender estes fenômenos e de que forma as ondas se propagam é crucial para se atingir o sucesso na implantação dos sistemas RFID.

Por exemplo, para uma instalação RFID na configuração de cabinete deverá ser realizada a leitura de todos os objetos que estão dentro deste cabinete. Muitas vezes estes cabinetes são construídos de materiais metálicos, que permitem a reflexão do sinal de rádio. Assim, o sinal recebido por uma etiqueta em um ambiente deste tipo será o resultado de um somatório dos diversos sinais que chegam de todas as direções, após um número indefinido de reflexões. Esta soma, porém, pode ter um resultado insuficiente de potência, dificultando a leitura das etiquetas e prejudicando, assim, o funcionamento adequado do sistema RFID.

Para uma implantação de RFID funcionar, não basta apenas instalar umas antenas, conectá-las ao leitor, ligar este leitor a um computador e passar os objetos já etiquetados, com a finalidade de identificá-los. Implantar RFID precisa de muito mais conhecimento técnico para que se possam regular as potências nas saídas do transmissor, ajustar os ângulos das antenas de modo a garantir que o portal tenha uma zona de interrogação mais estável e eficiente, etc.

Além disso, é necessário conhecer como se fazem as programações dos leitores. Cada leitor tem uma configuração diferente para diversos aplicativos. Abordar estas diferenças de modo eficiente pode ser um diferencial nas implantações de RFID.