RFID Artigos

Usando a IoT como uma bola de cristal

Pode parecer simples monitorar equipamentos e identificar erros antes de eles ocorrerem, mas é um desafio que pode se tornar avassalador rapidamente

Por Alexsandro Labbate

5 de fevereiro de 2018 - Acidentes e desastres são muitas vezes inevitáveis, não importa o ramo da indústria - quer seja uma falha em um equipamento, um grande evento climático, um corte de energia, ou alguma outra crise que afete a continuidade do negócio, o fator inesperado pode ocorrer a qualquer dia. Uma vez que não é ainda possível antever esses contratempos, podemos ao menos ser proativos na manutenção da saúde dos equipamentos.

Avanços tecnológicos associados à Internet das Coisas (IoT) e Data Analytics permitem às organizações de serviços prever e antecipar problemas, minimizando - ou mesmo evitando - o impacto sentido pelos clientes quando um desastre eventualmente os atingir. No Brasil, a inovação possibilitada pela IoT já pode ser verificada em muitos setores.

De acordo com um estudo da Cisco, esse conceito garante uma economia de até 40% nos custos gerais da indústria, pois quanto mais uma empresa consegue sensorizar a produção, menor é o seu custo.

Outro grande fator a alavancar a evolução das novas tecnologias é o Plano Nacional de IoT, elaborado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O plano prevê a criação de novos programas de investimento do BNDES para incentivar novos negócios na área industrial, uma vez que as indústrias de base possuem alta capacidade de desenvolvimento e são responsáveis por grande parte do PIB nacional.

Embora possa parecer simples, monitorar milhares ou mesmo milhões de equipamentos e identificar erros antes de eles ocorrerem é um desafio que pode se tornar avassalador rapidamente. Para ajudar a simplificar o processo, é importante dividi-lo em duas fases distintas: coleta e análise de dados.

Internet das Coisas na Coleta de Dados: Entendendo qual informação importa.

Os sensores IoT permitem que grandes volumes de dados sejam coletados e armazenados, fornecendo às empresas informações sobre saúde, desempenho, ciclo de vida de peças e falhas dos equipamentos. Cada unidade pode gerar centenas de milhares de pontos de dados a cada minuto. O desafio neste estágio é descobrir como organizar e priorizar esse enorme volume de dados. Analisar cada uma das informações não é viável, pois além de implicar em um uso ineficiente dos recursos, também muitos dos dados coletados possuem pouco valor na determinação da saúde dos ativos.